Três Lagoas-MS

  Últimas
Sejusp investe mais de R$ 184 mil na compra de etilômetros para municípios do interior
Detran-MS alerta para retomada de prazos que estavam suspensos por conta da pandemia
No combate à sonegação fiscal, Nota MS Premida distribui R$ 3 milhões em prêmios
Especialistas veem na energia fotovoltaica oportunidades para desenvolvimento na agricultura familiar
Na prisão, Marcelo encontrou uma profissão e renovou a esperança com a costura do couro
Novo projeto de lei da Bolsa Atleta terá primeira votação nesta quinta-feira na Assembleia Legislativa
Instabilidades ganham força e pode chover forte em Mato Grosso do Sul
Estadual MS 2020| Empate em 1 a 1 garante classificação do Operário à semifinal
Eldorado Brasil abre novas vagas nas cidades de Água Clara, Selvíria e Inocência
Conselho do PPI qualifica relicitação das concessões da Malha Oeste e da BR-163
Agepen inicia montagem de mobiliário e equipamentos da Penitenciária da Gameleira II
AVISO – Trecho da Avenida Fillinto Muller, próximo à Escola “Ramez Tebet”, será interditado a partir desta quinta-feira (03) devido obras de drenagem
Estadual de Futebol 2020: Operário e Comercial fazem o segundo jogo das quartas de final no Morenão
Governador trabalha para que Pantanal tenha linha de crédito específica
Polícia Militar ambiental de Aquidauana autua peixaria por comercializar pescado sem declaração de estoque
Após treinos constantes, Internacional está preparado para enfrentar Boca Juniors
Gestantes com deficiência auditiva poderão ser acompanhadas por intérpretes de Libras
Projeto autoriza Executivo a captar recursos internos para infraestrutura rodoviária
Estado reúne gestores para consolidar estratégia e governança de tecnologia de MS
Policiais Militares do Pelotão da Força Tática da 11ª CIPM RU-Segredo apreendem mais de 70kg de maconha após abordagem no Jardim Cerejeiras
Policiais Militares do Pelotão da Força Tática da 11ª CIPM RU-Segredo apreendem 119kg de maconha, pistola, munições e procurado pela Interpol
Com projeto de lei aprovado na Câmara Municipal, 7ª Companhia Independente de Polícia Militar poderá ter sede própria em Bataguassu.
Mais de 10 jogadores da base estrearam no profissional do Fluminense em 2020
Cadetes recuperam moto furtada e detêm indivíduo por Porte de Drogas na área da 11ª CIPM RU-Segredo
Projeto de Lei institui Semana de Conscientização sobre TDAH
Abel comanda atividades táticas e aprimora finalizações visando Delfín
Acima dos 100 mil casos de Covid, SES volta a alertar sobre disparada de positivos
Aumento no número de casos novos causa congestionamento no Disk Coronavírus
Confiança empata com Figueirense em 1 a 1
Corinthians enfrenta o Fortaleza de olho na parte de cima da tabela do Brasileirão
Next
Prev

Rural

Vírus que matou milhões de animais na China avança pelo mundo

Publicado

Não bastasse a covid-19, outro vírus bastante agressivo, que ataca os suínos, teve uma explosão de casos na China e já atinge outros países da Ásia e da Europa. O vírus, da família Asfarviridae, infecta apenas porcos e javalis. Ele não é parente do coronavírus e não atinge os humanos.

Os suínos não têm salvação e morrem em uma semana. A doença, altamente contagiosa, chegou à China há dois anos, depois de passar pela Europa, onde não chegou a fazer muitos estragos na ocasião. “Na China, a peste provocou um surto sem precedentes, em boa parte porque a produção de porcos é feita em pequenas propriedades, mais difíceis de serem fiscalizadas”, diz Wagner Yanaguizawa, analista do Rabobank do Brasil, banco de origem holandesa especializado no setor de alimentos e agronegócio.

A doença já causou a morte de 440 milhões de porcos na China, a metade do rebanho do país. No mundo todo, atingiu 25% do total de suínos. Segundo a Organização Mundial de Saúde Animal, a doença já se espalhou por 50 países, afetando 75% da produção global de porcos. Ainda não há tratamento ou vacina para o vírus.

A peste suína africana, que tem esse nome por ter sido identificada pela primeira vez na África há quase cem anos, é transmitida por carrapatos. A doença provoca febre alta e uma hemorragia mortal nos porcos. O vírus, bastante agressivo, pode ficar ativo por tempo indeterminado em alimentos contaminados, roupas, sapatos, veículos usados no transporte dos animais e até debaixo da terra, em carcaças de porcos acometidos pela doença.

A doença está se espalhando pelo mundo. Ela já chegou à Índia, onde matou mais de 14.000 porcos. O vírus também ataca a Europa. Desde o início do ano, nove países europeus confirmaram casos da doença, entre eles a Bulgária, Romênia e Bélgica. Segundo a European Food Safety Authority (EFSA), autoridade de segurança alimentar europeia, a disseminação tem sido rápida.

Novos focos da doença foram detectados na Polônia e na Grécia nas últimas semanas. Preocupado, o governo alemão mandou erguer uma cerca eletrificada na fronteira com a Polônia. “A Alemanha e a Espanha estão entre os maiores exportadores de carne suína, por isso precisam tomar um cuidado redobrado para não serem contaminados”, diz Yanaguizawa.

Apesar de estar em declínio na China, a doença ainda não está controlada. Em abril, o governo chinês reportou novos casos na província de Gansu. Para o Brasil, a boa notícia é que o vírus não chegou aqui – e as exportações de carne para a China, com o estoque de suínos em baixa, estão aumentado.

Segundo o Rabobank, nos primeiros quatro meses do ano o embarque de carne de porco para a China aumentou 29% em volume e 54% em faturamento. “O Brasil tomou medidas de precaução para evitar com que a doença chegue aqui e está sabendo aproveitar a oportunidade de negócios com a China”, afirma Yanaguizawa. Para os criadores de porcos na China e outros países, resta a esperança de ter uma vacina para o vírus. “Estudos vêm sendo feitos há dois anos e em algum momento terão sucesso”, diz Yanaguizawa.

Fonte: Carla Aranha / Exame

Comentários Facebook

Rural

A moderna agricultura brasileira: mudanças e novas oportunidades

Publicado

Os conhecimentos gerados pela pesquisa agropecuária, a capacidade empreendedora dos agricultores e a rede de assistência técnica, tem levado a significativas mudanças na agricultura brasileira. Para os consumidores pode se destacar como maiores mudanças nesse cenário: maior oferta de alimentos, fibra e energia; maior regularidade da oferta e melhoria da qualidade dos produtos oriundos da agricultura. Para os agricultores, as mudanças em curso estão proporcionando diversificação da produção, enquanto antes se cultivava apenas soja, hoje o cultivo ocorre associado ao cultivo de outras culturas tais como milho, algodão e pastagens. Ou seja, está havendo modificações nos modelos de produção e novas oportunidades de geração de renda.

E as modificações dos modelos exigiram a utilização de máquinas e implementos mais modernos. A mecanização da agricultura talvez tenha sido uma das maiores transformações e seus efeitos estão sendo espetaculares. Com as modernas máquinas tornou-se possível semear num menor intervalo de tempo uma área significativamente maior, e o que é mais importante, a qualidade dos trabalhos melhoraram muito, tendo como resultados ganhos de produtividade e melhoria de qualidade de vida.

A moderna agricultura exige um grau de profissionalismo muito grande por parte do agricultor. Algumas habilidades são fundamentais, dentre as quais podem ser destacadas: capacidade de planejar e de tomar decisões. O agricultor precisa estar muito bem informado sobre mercado para que possa decidir com segurança o que e quanto plantar; conhecer muito bem sobre as tecnologias disponíveis para que possa obter boas produtividades com custos compatíveis com o mercado. Para isso, é indispensável que o agricultor seja muito bem assessorado por profissional que possa lhe prestar as informações necessárias para a sustentabilidade do seu negócio.

Quando se cultivava apenas soja, as pragas se restringiam a essa cultura. Com a diversificação do cultivo (soja, milho, algodão, feijão, girassol, etc), há uma série de pragas e doenças que ocorrem em vários cultivos, ou seja, não são mais específicas de determinada cultura.  O cultivo de mais de uma espécie e sua integração com a pecuária, por exemplo, é uma das estratégias mais adequadas para ter a sustentabilidade assegurada. Desta forma, o agricultor precisa combinar os cultivos de tal forma a se obter os efeitos positivos desta combinação. Em muitas das situações, a integração lavoura-pecuária é uma alternativa viável para assegurar a lucratividade do sistema de produção. Assim, intensificar e integrar passou a ser uma exigência para que o negócio seja efetivamente sustentável (duradouro). Em síntese, não é mais possível pensar apenas no cultivo de uma determinada espécie, a visão de sistema passa ser imperiosa sob todos os aspectos.

Dentro do contexto de modernização da agricultura há de se pensar também na agricultura irrigada. Em algumas regiões brasileiras, esse modelo vem proporcionando grandes avanços, especialmente sobre o ponto de vista quantitativo. Em muitas situações, sem desconsiderar outros fatores de produção, a irrigação, é a alternativa mais viável para melhorar o desempenho da agricultura, possibilitando o cultivo de várias espécies durante o ano e para eliminação ou redução da sazonalidade de oferta de determinados produtos.

Muitas vezes uma determinada decisão é tomada sem a devida fundamentação. Isto não é mais possível. A agricultura digital já é uma realidade e, com certeza, trará grandes benefícios tanto em termos de ganhos de produtividade como em redução de custos. No entanto, é preciso um bom entendimento sobre o que é agricultura digital, pois, talvez até mais importante do que um sensor para coletar os dados é a interpretação dos dados, Uma vez adequadamente interpretados os dados se constituem em informações que subsidiarão as tomadas de decisão. Dada a gama de oportunidades para melhoria da produtividade da agricultura, não dá para pensar numa agricultura sustentável, sem o uso da agricultura digital. No entanto, é preciso planejar muito bem o uso desta nova ferramenta. Em resumo, a modernização é algo irreversível, e, mais do que isso, uma necessidade. Utilizando-se os conhecimentos disponíveis, é possível melhorar a oferta de alimentos, fibra e energia, assim como a sustentabilidade da agricultura brasileira.

Fernando Mendes Lamas
[email protected]
Pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste

Comentários Facebook
Continue lendo

Rural

A partir de amanhã, pecuaristas já podem comprar vacinas contra aftosa em MS

Publicado

por

.

Campo Grande (MS) – Em Mato Grosso do Sul, a partir desta quarta-feira (15/04), o pecuarista já pode adquirir as doses da vacina contra a febre aftosa, antecipadamente, sem que seja necessário solicitar autorização na Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal).

Conforme Portaria publicada no Diário Oficial nesta segunda-feira (13), a campanha terá início oficial em todo o Estado no dia 1º de maio – obedecendo aos períodos legais para vacinação e registro – mas, os pedidos de antecipação serão dispensados de cumprir os protocolos exigidos anteriormente, como: Protocolar requerimento, justificar o motivo da antecipação, e obter parecer do inspetor local.

Secretário Jaime Verruck (Semagro) e o diretor-presidente Daniel Ingold (Iagro)

Segundo explicou o Diretor Presidente da Agencia, Daniel Ingold, o calendário de vacinação foi mantido e o pedido de antecipação foi flexibilizado, considerando orientações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) como medidas de contenção da pandemia da Covid-19. “Por conta dessa pandemia, estamos abrindo mão da necessidade de deslocamento desse pecuarista até as unidades da Iagro. Aquele que tiver interesse em antecipar as compras e a vacinação a partir de amanhã, dia 15 de abril, já pode procurar a revenda e adquirir as doses”.

Segundo o Secretário Jaime Verruck, titular da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), as medidas que vem sendo tomadas são fundamentais para manter os serviços essenciais e evitar o desabastecimento durante esse período em que se mostra fundamental a necessidade do ‘isolamento social’. “O Pecuarista de Mato Grosso do Sul sempre foi um grande parceiro do Governo do Estado. Enfrentamos e vencemos grandes dificuldades e com certeza, vamos superar esse período difícil que estamos atravessando”, completou.

Conforme Calendário – que prevê a vacinação de todo rebanho nesta etapa – em todas as regiões sanitárias do Estado (Planalto, Fronteira e Pantanal) a partir de dia 15 de abril as doses já podem ser adquiridas, a vacinação dos animais das regiões do planalto e fronteira terminam em 31 de maio e a declaração de vacinação, no sistema, para os pecuaristas destas duas regiões termina em 15 de junho. O Pantanal, dada suas peculiaridades, continua com data diferenciada. A vacinação termina em 15 de junho e a declaração pode ser feita até 30 de junho.

Região Liberação de compra da vacina Data final da vacinação Data de início de registro Data final de registro
Planalto 15/04 31/05 01/05 15/06
Fronteira 15/04 31/05 01/05 15/06
Pantanal 15/04 15/06 01/05 30/06
         

Ainda segundo o Secretário Jaime Verruck, que é presidente do Comitê Gestor do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), em Mato Grosso do Sul as ações do plano que prevê a retirada da vacinação até 2021 estão mantidas.

 

Kelly Ventorim, assessora de comunicação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro)

Foto: Arquivo

Fonte: Governo MS

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

BRASILÂNDIA

POLICIAL

Mais Lidas da Semana