Celulose em Destaque

Suzano instalará fábrica de celulose em Ribas do Rio Pardo

Publicado

A Suzano Papel e Celulose irá instalar uma fábrica de celulose, com capacidade para 2,2 milhões de toneladas, em Ribas do Rio Pardo. Empresa anunciou nesta quinta-feira (12) a aquisição de 106 mil hectares e a Licença de Instalação da fábrica, que será a quarta indústria de produção de celulose no Estado.

Secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, explicou que a Licença de Instalação é um importante ativo que viabiliza a construção da fábrica, assim que a empresa decidir pela implantação.

“Um processo de instalação de indústria para chegar até este ponto, de ter licença ambiental e de instalação, demoraria entre três e quatro anos. Estes são indicativos de que Mato Grosso do Sul terá a quarta fábrica de celulose, mas ainda sem cronograma previsto”, explicou Verruck.

Mato Grosso do Sul conta hoje com duas plantas de produção de celulose da Suzano  e uma da Eldorado, todas em Três Lagoas, município conhecido como Capital da Celulose.  Atualmente 92% da produção das três fábricas é destinado ao mercado externo. A  notícia da implantação da nova fábrica consolida Mato Grosso do Sul como importante produtor de celulose.

Comentários Facebook

Celulose em Destaque

Reflore/MS e empresas associadas criam Protocolo de Boas Práticas e Ações de Controle da Dispersão da Covid-19

Publicado

Diante da atual pandemia que estamos vivendo, com o propósito de prevenir, mitigar e de controlar a dispersão do vírus da Covid-19, a Associação Sul-Mato-Grossense de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas (Reflore/MS) e as empresas associadas estabeleceram e adotaram um Protocolo de Boas Práticas e Ações de Controle da Dispersão da Covid-19

O Protocolo traz as boas práticas que as empresas associadas adotaram em seus ambientes de trabalho, seja no campo, nas indústrias ou nos escritórios administrativos instalados nas cidades. O setor de base florestal está inserido dentro de um segmento essencial; a madeira é matéria-prima indispensável de inúmeros itens que são de primeira necessidade da população.

“Se a madeira não chegar na indústria alimentícia, provavelmente os supermercados serão desabastecidos com inúmeros produtos, assim também acontecerá com os laticínios, os frigoríficos e todas as indústrias que possuem caldeiras. Os secadores provavelmente não terão madeira para secarem seus produtos e a indústria de celulose também será afetada e não poderá oferecer tantos outros produtos importantíssimos (como papel higiênico por exemplo) para o bem estar das pessoas, dos nossos municípios, de MS, do Brasil e do mundo. Nosso propósito é continuar produzindo, mas a todo momento seguindo as recomendações de saúde e segurança com os trabalhadores da nossa cadeia”, diz Moacir Reis, presidente da Reflore/MS.

O documento traz as recomendações oficiais publicadas pelo Ministério da Saúde e pelo Ministério do Trabalho e, as medidas adicionais que foram implementadas pelas empresas associadas da Reflore/MS, segundo as recomendações de suas equipes de saúde e segurança, adaptadas as particularidades das atividades. Também há recomendações sobre como se proceder após a identificação de colaborador sob suspeita de contaminação do vírus, visando conduzi-lo ao devido isolamento social e dos pares com os quais teve contato.

O protocolo completo pode ser acessado no site da Reflore/MS: www.reflore.com.br/.

Comentários Facebook
Continue lendo

Celulose em Destaque

Produção de mel de Três Lagoas e região bate novo recorde e consolida Costa Leste no cenário estadual da apicultura

Publicado

Em pouco mais de dez anos do Programa Colmeias, a produção regional de mel saltou de 7,3 toneladas para 170 toneladas/ano, com uma produtividade acima da média nacional

Com o apoio da Suzano, por meio do Programa Colmeias, produtores rurais de Três Lagoas e região conseguiram quebrar novo recorde de produção e consolidar a Costa Leste como importante produtora de mel em Mato Grosso do Sul. Em pouco mais de uma década de atuação, a produção de mel nos municípios que abrangem a área de atuação da Suzano, em Mato Grosso do Sul, teve um crescimento que supera a marca de 2.228% – índice baseado nos dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em 2009, apontou a pesquisa sobre pecuária do IBGE, os municípios de Três Lagoas, Brasilândia, Selvíria, Água Clara e Santa Rita do Pardo haviam produzidos, juntos, 7,3 toneladas de mel. Em 2018 (levantamento mais recente), o volume saltou para 107,7 toneladas de mel. Com isso, a região Leste passou a responder por 15% da produção estadual de mel no Estado. Já na última safra, os produtores apoiados pelo Colmeias atingiram a marca de 170 toneladas de mel, novo recorde para o programa no Estado.

“Uma das prioridades da Suzano é promover a geração de renda e desenvolvimento sustentável nas comunidades em seu entorno. O Programa Colmeias, assim como o PDRT [Programa de Desenvolvimento Rural e Territorial], tem o objetivo de fortalecer o pequeno produtor rural, por meio de parcerias com associações, fomentando ainda a diversificação das culturas. Em Mato Grosso do Sul, o resultado do programa tem superado todas as expectativas e mostrado que a apicultura pode ser uma importante fonte de renda para a região”, destaca Israel Batista Gabriel, coordenador de Desenvolvimento Social da Suzano.

O aumento na produção deve-se tanto à adesão de novos apicultores quanto ao aumento da produtividade, por meio de investimentos e melhora das técnicas do manejo – uma das prerrogativas do programa. Quando iniciado, o Colmeias apoiava nove produtores rurais. Hoje, são cerca de 170 apicultores na região. O número corresponde a 19,5% do total de produtores de mel em Mato Grosso do Sul, 870 ao todo, conforme dados da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal).

Atualmente, são cerca de sete mil colmeias instaladas nas florestas plantadas da Suzano. A produtividade registrada entre os apicultores apoiados pelo programa foi de 34,65 quilos por colmeia, 65% a mais que a média nacional, 21 quilos. No ano passado, somente os produtores apoiados pelo programa obtiveram uma produção de 117 toneladas de mel, o que corresponde a uma receita estimada em R$ 500 mil.

Investimentos e renda

“Muitos produtores viram os benefícios proporcionados pelo Colmeias e se interessaram pela cultura. Criou-se um efeito em cadeia, em que um apicultor repassa o aprendizado obtido a outro produtor. Também percebemos que, além do aumento dos apicultores, houve investimento na produção daqueles que já estavam atuando na cultura. Praticamente todos que estão na área conseguiram ampliar a capacidade de produção. É exatamente esse o nosso objetivo: proporcionar a autonomia desses produtores.”, completa Evânia Lopes, consultora de Desenvolvimento Social da Suzano em Mato Grosso do Sul.

A apicultura é, na maioria dos casos, a segunda ou terceira fonte de renda dos produtores, o que vem ao encontro da ideia de desenvolvimento sustentável e a diversificação das atividades no campo.

“Sempre houve produção de mel no município, mas o salto que tivemos com a chegada da Suzano e as florestas de eucalipto foi, de fato, muito expressivo. Com a parceria do Programa Colmeias conseguimos nos organizar, trabalhar de forma unida e com apoio técnico. Essas foram as principais conquistas proporcionadas pelo programa. Queremos um crescimento sustentável, em que o apicultor possa produzir cada vez mais e com maior qualidade. Buscamos o desenvolvimento e o fortalecimento dos pequenos produtores, não um crescimento desordenado na região”, destacou Noel Lima de Araújo, presidente da Unileste (Associação Regional de Apicultores da Costa Leste).

Araújo está no Programa Colmeias desde 2015 e conta como as florestas plantadas de eucalipto ajudaram os produtores locais. “Tivemos três anos consecutivos ruins para a apicultura, por conta de, entre outros fatores, condições climáticas. Mesmo assim, mantivemos a produtividade acima da média nacional, por isso, acredito que até superamos essa estimativa do IBGE”, completou o presidente da Unileste.

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

BRASILÂNDIA

POLICIAL

Mais Lidas da Semana