TRÊS LAGOAS-MS
  Últimas
Polícia Militar prende autor de Tráfico de Drogas e Receptação em Três Lagoas.
Petrobras desliga termoelétrica de Três Lagoas sob risco de ‘falha catastrófica’
Polícia Militar cumpre Mandado de Prisão em Três Lagoas.
Força Tática de Dourados prende em flagrante autor de estupro de vulnerável
Polícia Militar Ambiental Amambai e Policia Militar Rodoviária apreendem 260 Kg de maconha em ação conjunta
Taekwondo é o primeiro a definir campeões nos Jogos Escolares da Juventude de MS
Três-lagoense morre em acidente na Rodovia Marechal Rondon
Uberlândia-MG derruba invencibilidade do Joinville-SC na Série D
Brasil disputa Copa do Mundo por equipes de tênis em cadeira de rodas
Polícia Militar Ambiental de Amambai prende indígena com duas armas de fogo e cinco munições ilegais
Polícia Militar Ambiental de Dourados autua empresa em R$ 353 mil por incêndio em área plantada de cana-de-açúcar
Foragido da justiça é preso em flagrante pela PM por tentativa de Feminicídio
Com gols no fim, América-MG e Flamengo empatam pelo Brasileiro
Com gol de Jael, Ceará vence a Chapecoense na Arena Castelão
Em jogo equilibrado, São Paulo empata com Atlético-MG no Morumbi
Timão vence o Palmeiras na Neo Química Arena com dois gols de Róger Guedes
Brasil derrota o Marrocos e vai à semifinal da Copa do Mundo de futsal
Polícia Militar atende ocorrências de violência doméstica na madrugada e prende cinco pessoas
BOLETIM COVID-19 – Três Lagoas registra 03 novos casos neste domingo (26)
Polícia Militar Ambiental de Aquidauana atende denuncia de pesca predatória e prende o pescador que era foragido da justiça com mandado de prisão em aberto
Brasileiro: Fluminense recebe Bragantino no Maracanã
Série D: Uberlândia-MG e Joinville-SC iniciam confronto pelas oitavas
2º BPM realiza a III Operação Blitz de Trânsito “Condutor Não Habilitado”.
As inscrições para o 22º Encontro do Proler e o 18º Encontro do Sistema Estadual de Bibliotecas seguem até novembro
Novas leis estaduais promovem educação e bem estar econômico-social em MS
Termina na quarta-feira pesquisa da Agepan e Fundtur para projeto de melhoria do transporte turístico
Atleta de MS carregará as cores do Brasil no vôlei de praia nos Jogos Pan-Americanos Júnior
Governo economiza milhões com trabalho prisional em obras públicas
Chuva ameniza calorão e melhora umidade do ar no primeiro domingo da primavera
Força Tática prende homem com mandado de prisão e recupera veículo roubado
Next
Prev

AFXT

Escola de Arapuá abre chamada pública para Alimentação Escolar “PNAE”

Publicado

A APM (Associação de Pais e Mestres) da Escola Estadual Afonso Francisco Xavier Trannin, localizada no Distrito de Arapuá, Município de Três Lagoas,  torna público que por intermédio da equipe de licitação designada pela Associação de Pais e Mestres, realizará às 14 horas, do dia  14/09/2021, na Escola Estadual Afonso Francisco Xavier Trannin, a licitação para a agricultura familiar destinada a atender o Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE para a Escola Estadual AFONSO FRANCISCO XAVIER TRANNIN,

O edital e demais informações, encontra-se à disposição dos interessados na sede da Escola Estadual Afonso Francisco Xavier Trannin situada à Rua José de Ribamar nº. 31, Distrito de Arapuá/Três Lagoas – MS.

Comentários Facebook

AFXT

Agosto termina com projeto Agosto Lilás da Escola Estadual de Arapuá

Publicado

Na última sexta-feira (27) de agosto, alunos da Escola Estadual Afonso Francisco Xavier Trannin finalizaram o projeto do Agosto Lilás encabeçado pela professora Cleia Pascoalim.

Durante o mês de agosto a professora incentivou os alunos no debate ao assunto do Agosto Lilás em defesa da Mulher, falando sobre a lei Maria da Penha que completa 15 anos e dos órgãos existente no Município de Três Lagoas.

Simoní Morales 1A

João victor 9 Ano a

Jaqueline da Silva Guilherme 1ano E.M A

Esses banner os alunos que confeccionaram usando o APP Canva

8 ano, Senhora Marta Zacarias

ANA CAROLINA 1A – CONFECÇÃO DE BANNER EM PROL DO AGOSTO LILÁS

Alexsandro 1 A

No 27 de agosto, os alunos visitaram diversas residências, órgãos públicos e particulares, entregando um folder, que explicava os tipos de agressões: Física, psicológica, sexual, moral e patrimonial. E os telefones para as denuncias em caso de agressões.

Para a professora Cleia Pascoalim, “neste mês fizemos uma campanha na ajuda do combate e prevenção da violência domestica contra a mulher e falamos sobre a Lei Maria da Penha, que lutou pelos direitos da mulher. Através da Lei temos diversas penalidades, e assim falamos sobre os tipos de violências, fizemos um trabalho sobre pesquisa, tipos de violências contra a mulher, e trouxemos o assunto como debate entre os alunos, e hoje estamos entregando esse folder a nossa comunidade.

Diretora Marcia Mota, “Nossa escola como órgão do Estado, não poderíamos deixar de fazer essa campanha e falar sobre o assunto, talvez muitas mulheres acabam sofrendo e não sabem, e assim achamos de fundamental importância da Escola servir de canal para abrir os olhos das pessoas, talvez pessoas de nossa comunidade possa estar passando por situações assim e não sabem, a escola é muito importante nesse sentido, de conscientizar a comunidade através de nossos alunos”.

Coordenadora Jocilea Trannin, “parabenizo a nossa professora Cleia e a diretora Marcia, que possibilitaram através do projeto alertar nossas mulheres do Distrito, dos problemas que ocorrem dentro das casas delas, possibilitando levar o conhecimento a comunidade, a partir de nossa Escola”.

Denuncie

Se você presenciar um caso de violência contra a mulher chame imediatamente a Polícia Militar pelo 190 ou leve a vítima para ser atendida pela Casa da Mulher Brasileira, na Rua Brasília, Lote A, Quadra 2 s/n – Jardim Ima, aberta 24 horas em Campo Grande.Ainda há como denunciar anonimamente pelos canais 180, o site www.naosecale.ms.gov.br, o site da Polícia Civil pelo pc.ms.gov.br e pelo aplicativo MS Digital, no item Mulher MS, de forma anônima.

Outra forma de pedir ajuda é colocar um X vermelho na palma da mão e mostrar a alguém em as farmácias e restaurantes. Essa é uma Campanha Nacional da Associação de Magistrados e Conselho Nacional de Justiça que envolve farmácias de todo país e garante o anonimato às mulheres e que também foi implementada em Mato Grosso do Sul por força da Lei 5.703/2021, da deputada Mara Caseiro, para incentivar os pedidos de ajuda – saiba mais sobre clicando aqui. Se informe também pelas Cartilhas “Feminicídio: Quem ama, não mata!” e “Violência contra a Mulher não tem desculpa!”. Mato Grosso do Sul ainda dispõe sobre o Programa Recomeçar para apoio às mulheres em situação de violência em tempos de pandemia – veja aqui.

Programa Mulher Segura (PROMUSE) em Três Lagoas

Durante o ano de 2020 o PROMUSE – Programa Mulher Segura realizou o acompanhamento de 400 mulheres vítimas de violência doméstica e familiar.

O PROMUSE é um programa da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso do Sul, que realiza o monitoramento e proteção das mulheres em situação de risco, por meio de ações de prevenção, visitas técnicas, conversas com vítimas, familiares e até mesmo com os agressores.

No ano de 2020, policiais militares devidamente capacitados realizaram o atendimento a 400 mulheres em situação de risco.

Foram fiscalizadas 334 MPU (Medidas Protetivas de Urgência), feitas 276 visitas técnicas. Um total de 248 agressores foram presos em flagrante por atos violência doméstica e outros 22 foram presos em flagrante por descumprirem as MPU.

O 2º Batalhão de Polícia Militar (2º BPM), através do PROMUSE integra a rede de atendimento à mulher em situação de violência juntamente com CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), Defensoria Pública, Ordem dos Advogados do Brasil – OAB Subseção de Três Lagoas e equipe do CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social).

Colaborar com a Polícia Militar, em caso de EMERGÊNCIA ligue para o 190 (gratuito) ou 67 3919-9736. Em Três Lagoas, denuncias podem ser realizadas pelo Whatsapp 3919-9700. Não precisa se identificar!

CRAM “Halley Coimbra Ribeiro Junqueira”

Em 2020 cresceram muito em Três Lagoas os números de violência contra a mulher, chegando à triste repetição de casos máximos de barbáries e atrocidades do feminicídio consumado e suas tentativas.

Ao lado dos casos que viraram notícias, existem muitos outros mais com inúmeras vítimas silenciosas, cujo medo e terror as impedem de tornar essa violência pública, deixando assim de pedir ajuda a órgãos e entidades apropriadas para esse fim, como é o caso do Centro de Referência de Atendimento à Mulher, Vítima de Violência – CRAM “Halley Coimbra Ribeiro Junqueira”, serviço público da Diretoria de Proteção Social Especial da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) de Três Lagoas.

NÚMERO DE ATENDIMENTO

Inaugurado em meados de março, o CRAM de Três Lagoas, até outubro, ou seja, em pouco mais de sete meses de atendimento ao público feminino, acolheu 409 casos de violência contra as mulheres. Só neste período, foram ofertados 340 atendimentos às vítimas de toda a espécie de violência.

REDE DE ATENDIMENTO

Em Três Lagoas, junto com o CRAM, instalado na Rua Joaquim Martins, número 603, Bairro Santos Dumont, as mulheres também podem contar com os serviços do CMDM (Conselho Municipal dos Direitos da Mulher); seis unidades CRAS (Centro de Referência de Assistência Social); CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social); PROMUSE – Programa Mulher Segura, mantido pela Polícia Militar; e Delegacia de Atendimento à Mulher (DAM), situada na Rua Oscar Guimarães, número 1655, Bairro Lapa.

EQUIPE DO CRAM

“À medida em que as mulheres confiarem e entenderem a seriedade e responsabilidade dos serviços da nossa equipe, a realidade e resultados da violência podem mudar em Três Lagoas, porque temos uma equipe de profissionais preparados, dedicados e competentes para o fortalecimento dos direitos e dignidade das pessoas que nos procuram, vítimas de violência”, comentou a coordenadora do CRAM, psicóloga Aline da Rocha Schultz.

A equipe do CRAM é formada por: Coordenação; Psicóloga; Assistente Social; Pedagoga; Cuidadoras; Técnica Administrativa; Advogado; Vigias Patrimoniais (plantão); e Auxiliar de Limpeza (terceirizada).

EXPEDIENTE

O atendimento normal é de segunda-feira a sexta-feira, das 7h às 11h e das 13h às 17h. O telefone do CRAM é o 3929-9986. A equipe também atende em regime de plantão (24h), incluindo sábados, domingos e feriados, pelo telefone (67) 99274-4942.

SERVIÇOS

Entre as principais ações do CRAM, estão a oferta de acolhida e a identificação do tipo de violência; identificar e providenciar respostas imediatas às necessidades específicas de cada  mulher; orientações e escuta qualificada de profissionais qualificados para essas finalidades;  atendimento individual e em grupos; e acompanhamento e encaminhamentos necessários a cada caso da mulher, vítima de violência.

Como observou a psicóloga Aline, “atendemos vítimas de todas as formas de violência, sexual, física, patrimonial, psicológica e moral”, relatou.

“É importante ressaltar que, na maioria dos casos, as mulheres vítimas de violência, de modo equivocado, só reconhecem que são vítimas quando sofrem violência física e desconsideram os danos causados pelos demais tipos de violência”, explicou a coordenadora do CRAM.

“Infelizmente, em Três Lagoas, entre os casos atendidos pelo CRAM, os de maior incidência continuam sendo a violência física e psicológica contra as mulheres”, completou Aline.

A equipe do CRAM avalia que, “as vítimas de violência contra as mulheres estão tendo mais coragem para denunciar o agressor e fazer justiça, porque se sentem mais amparadas e protegidas pela legislação, instituições e serviços que estão disponíveis em Três Lagoas”.

No MS

Segundo dados da Subsecretaria foram contabilizados 40 feminicídios em 2020 no estado, sendo 12 na capital e 28 interior. Um aumento de 33% no estado e 120% na capital.

As vítimas tinham entre 17 a 80 anos. Das 40 mulheres mortas, 30 eram mães e 13 filhos presenciaram o crime. Apenas cinco tinham medidas protetivas vigentes.

No ano de 2019, em Mato Grosso do Sul, 30 mulheres foram vítimas de feminicídio. 98 sobreviveram para contar suas histórias. A cada mês, 130 mulheres registraram Boletim de Ocorrência por estupro. A cada semana, 150 mulheres sofreram agressões físicas tipificadas como lesão corporal dolosa. Saiba mais pelo mapa da violência clicando aqui.

Um material informativo foi entregue a todos os gabinetes na ALEMS, conscientizando sobre as diversas formas de violência. “A partir de amanhã a gente começa uma agenda de visitas a 20 municípios para informar a população e retomar a interiorização das políticas públicas, com o Programa Mulheres em Movimento, para as mulheres e fomentar a criação das coordenadorias no interior para que a gente tenha também um protocolo de atendimento nos municípios e a conscientização das mulheres sobre as formas de violência e os canais de denúncia”, ressaltou Luciana.

Em nome dos 24 deputados, o presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa (PSDB), disse que o Executivo terá o apoio do Legislativo. “Agradeço a visita e saiba que tem 24 deputados com o intuito de caminharmos juntos, no que a gente puder fazer”, disse o presidente. Também participou da reunião o deputado Herculano Borges (Solidariedade).

Denuncie

Se você presenciar um caso de violência contra a mulher chame imediatamente a Polícia Militar pelo 190 ou leve a vítima para ser atendida nas unidades da delegacia da mulher ou ainda na Casa da Mulher Brasileira, na Rua Brasília, Lote A, Quadra 2 s/n – Jardim Ima, aberta 24 horas em Campo Grande. Ainda é possível denunciar pelos canais 180 e disque 100, além do site da Polícia Civil em Mato Grosso do Sul pelo pc.ms.gov.br e pelo aplicativo MS Digital, no item Mulher MS. Para mais informações e apoio acesse o site www.naosecale.ms.gov.br.

Lei Maria da Penha completa 15 anos

Uma situação natural, uma questão privada e um crime de menor potencial ofensivo. Era assim que a violência doméstica, mesmo nos casos de agressão física ou homicídio, era vista. Não faz muito tempo que essa história começou a mudar, dizem especialistas ouvidas pela Agência Brasil. Mas não há dúvidas sobre o significado dessa conquista. A Lei Maria da Penha completou no dia (07) de agosto de 201,  15 anos.

A promotora Valéria Scarance, coordenadora do Núcleo de Gênero do Ministério Público de São Paulo (MPSP), diz que a lei “inaugurou um novo tempo para as mulheres”, não somente com uma “uma mudança de olhar, mas com um sistema de proteção integral”. “A lei não prevê punição apenas”, ressalta.

A lei, considerada uma das três melhores no mundo pelas Nações Unidas, prevê mecanismos inovadores, como medidas protetivas, ações de prevenção, suporte às mulheres e grupos reflexivos para homens.

Para Sônia Coelho, da Sempreviva Organização Feminista (SOF) e integrante da Marcha Mundial de Mulheres, a Lei Maria da Penha desnaturalizou a violência doméstica. “É um crime e as bases dessa violência estão justamente nas desigualdades que homens e mulheres vivem na sociedade”, aponta. “A lei muda radicalmente o cenário que havia antes dela. De fato, desloca o problema da violência doméstica do campo da banalização”, concorda Alessandra Teixeira, professora da Universidade Federal do ABC (UFABC).

A Lei Maria da Penha definiu cinco formas de violência: física, sexual, moral, psicológica e patrimonial. “Até então, a violência contra a mulher era identificada apenas com o olho roxo”, relembra Valéria. Em 2015, nova conquista com a tipificação do crime de feminicídio e, neste mês, a criação do tipo penal violência psicológica. “Essas violências estão sempre acontecendo concomitantemente e, muitas vezes, acaba em feminicídio”, diz Sônia.

A lei reduziu as agressões?

“É muito difícil de responder isso, até porque teríamos que ter, no passado, números mais confiáveis. Sempre tivemos altíssima subnotificação. Claro que o fenômeno da violência está aí, ele não vai acabar de uma hora pra outra”, avalia Alessandra. A professora acredita que a violência contra a mulher sofre cada vez mais “rachaduras” e força instituições a se posicionarem. “Há uma não conformidade daquela máxima que era muito repetida: em briga de marido e mulher ninguém mete a colher.”

“Muitas vezes as pessoas perguntam por que a cada ano os índices de violência contra a mulher aumentam? Há sim o aumento dos índices de violência, mas há também o aumento da conscientização. Muitos homens já eram violentos e agora as mulheres estão rompendo o silêncio”, aponta a promotora paulista.

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostra que o assassinato de mulheres registrados como feminicídio passou de 929, em 2016, para 1.350, em 2020. Além disso, quase 15% dos homicídios de mulheres no ano passado praticados por parceiros ou ex-parceiros das vítimas não foram registrados como feminicídio.

Orçamento

A integrante da SOF destaca que, como uma lei integral, a sua execução requer investimentos em áreas de prevenção e proteção. “Se a gente quer superar a violência, não basta punir, principalmente em um país como este que a gente nem precisa falar no que é o modelo carcerário”, avalia.

Alessandra reforça que políticas sociais, de forma geral, podem ter impacto no fortalecimento das mulheres. “Uma política, por exemplo, de transferência de renda, como o Bolsa Família, tem um impacto direto na questão da violência contra a mulher. Nem precisa fazer grandes exercícios pra entender: ela diz respeito à autonomia financeira, diz respeito ao cumprimento dos direitos sociais dos filhos.”

A Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (SNPM) do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) disse, em nota, que “está evoluindo tanto no aspecto da recomposição orçamentária, quanto na execução”. De acordo com a secretaria, o orçamento em 2019 era em torno de R$ 30 milhões. “Em 2020, recebemos um incremento oriundo de emendas excepcionais, que nos permitiu chegar a R$ 126 milhões”, destacou. Em 2021, o orçamento é de R$ 60 milhões.

Ainda segundo a secretaria, a execução, em 2020, chegou a 98% do total. Em 2019, esse percentual ficou em 96%, em 2018, em 84%, e em 2017, em 55%.

“Destaca-se que nos últimos três anos a Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres tem investido os recursos do orçamento de forma prioritária em: novas unidades da Casa da Mulher Brasileira, qualificação profissional, equipagem de patrulhas e rondas Maria da Penha e implantação de Núcleos Integrados de Atendimento à Mulher”, ressaltou a secretaria.

De acordo com a secretaria, existem atualmente sete unidades da Casa da Mulher Brasileira, localizadas em Brasília, São Luís, Boa Vista, Fortaleza, Curitiba, Campo Grande e São Paulo. Há recursos empenhados do Orçamento para a implementação de 23 novas unidades, além de três novos Núcleos Integrados de Atendimento à Mulher em delegacias em fase de instalação.

Vítimas de violência doméstica podem apresentar um sinal vermelho na mão para alertar que estão vivendo uma situação de vulnerabilidade – Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Campanha Sinal Vermelho

Uma das iniciativas recentes do ministério foi tornar lei a utilização de um “X” vermelho na palma da mão como forma de denúncia contra um agressor. “Em dois anos e meio, sancionamos diversas leis de proteção ao segmento feminino. Em breve nós também vamos contar com o Plano Nacional de Enfrentamento ao Feminicídio (PNEF)”, disse a ministra Damares Alves, na cerimônia de sanção da lei.

Damares também destacou a inclusão, em abril, de atos de perseguição como crime no Código Penal. A norma também incluiu como agravantes a violência contra mulheres, crianças, idosos e adolescentes, com uso de arma de fogo ou quando cometido por mais de uma pessoa. A ministra lembrou ainda do formulário unificado de enfrentamento à violência contra a mulher e da inclusão da prevenção à violência contra a mulher no currículo da Educação Básica.

Rede especializada

A Lei Maria da Penha estabelece a criação de estruturas especializadas no atendimento às mulheres, como delegacias e varas de Justiça. “A Lei Maria da Penha prevê um atendimento humanizado, ininterrupto da mulher, por exemplo, na delegacia de polícia, na perícia, num ambiente reservado, especialmente projetado para essa mulher, em que ela não tenha contato com o agressor, tendo a sua intimidade preservada”, explica Valéria, destacando que o objetivo é evitar a revitimização.

Dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) apontam a existência de 138 varas exclusivas de violência doméstica em 2020, uma a menos do que em 2019, quando eram 139. Em 2016, eram 109 varas. No ano passado, a Justiça tinha mais de 1,1 milhão de casos pendentes de violência doméstica em fase de conhecimento. Esse número era cerca de 880 mil em 2016. Além disso, foram 554 mil novos casos no ano passado.

Para a promotora, “é possível fazer justiça mesmo nos locais onde não existe estrutura para isso”. “Desde que aquela pessoa presente tenha esse olhar de gênero, tenha a compreensão de que aquela mulher vítima de violência não escolheu estar na relação violenta, ela não consegue mais reagir”, destaca. Ela reconhece, no entanto, que “o machismo estrutural e estruturante [está] em todos os setores da sociedade, inclusive perante aquelas autoridades que aplicam a lei”.

Denuncie

O governo federal mantém a Central de Atendimento à Mulher para recebimento de denúncias e encaminhamentos de casos de violência contra a mulher. O número é 180. A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana.

O serviço também fornece informações sobre os direitos da mulher, como os locais de atendimento mais próximos e apropriados para cada caso: Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referências, Delegacias de Atendimento à Mulher (Deam), Defensorias Públicas, Núcleos Integrados de Atendimento às Mulheres, entre outros.

Comentários Facebook
Continue lendo

AFXT

Escola de Arapuá abre licitação para Alimentação Escolar “PNAE”

Publicado

A

 Associação de Pais e Mestres (APM) da ESCOLA ESTADUAL AFONSO FRANCISCO XAVIER TRANNIN, por meio de seu (sua) Presidente ao final assinado, torna público que, por intermédio da Equipe de Apoio designada em Ato, realizará a licitação na modalidade “Pregão Presencial”.

OBJETO: Aquisição de gêneros alimentícios destinados à alimentação escolar do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE da ESCOLA ESTADUAL AFONSO FRANCISCO XAVIER TRANNIN.

PREGÃO NA FORMA PRESENCIAL N. 01/2021

PROCESSO N. 29/022588/2021

ABERTURA DA SESSÃO: às 9 horas, do dia 20 de abril de 2021.

ENDEREÇO DA ABERTURA DA SESSÃO: R. Adonias Alves dos Santos n. 147, Distrito Arapuá, Cep 79.654-000, TRES LAGOAS/MS

O Edital e demais informações encontram-se à disposição dos interessados na sede da APM da ESCOLA ESTADUAL AFONSO FRANCISCO XAVIER TRANNIN, sita à R. Adonias Alves dos Santos n. 147, Distrito Arapuá, Cep 79.654-000, TRES LAGOAS/MS

TRES LAGOAS/MS, 6 de abril de 2021.

Natália Soares de Oliveira – Presidente da APM

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

Assembléia Legislativa MS

Mato Grosso do Sul

POLICIAL

Mais Lidas da Semana