Campo Grande

Besouro entra no ouvido de criança de 4 anos e mãe usa redes sociais para relatar desespero: ‘Acordou gritando’

Publicado

Por Graziela Rezende, G1 MS


Equipe médica de UPA fez lavagem no ouvido da criança e mostrou inseto retirado para a mãe — Foto: Redes sociais/Reprodução

Equipe médica de UPA fez lavagem no ouvido da criança e mostrou inseto retirado para a mãe — Foto: Redes sociais/Reprodução

Uma mãe, horas depois do alívio ao ter um besouro retirado do ouvido do filho, em Campo Grande, usou as redes sociais para relatar o desespero da criança de 4 anos, além de alertar outras mães sobre o risco de tentar retirar o inseto sem ajuda médica, o que pode, inclusive, comprometer a audição.

“Era o início da madrugada desse domingo (19) e eu estava desligando o computador. O meu filho mais novo dorme comigo, ele estava na cama ao meu lado e acordou gritando, dizendo que tinha um bicho no ouvido dele. Eu liguei a lanterna do celular, tentei identificar algo e chamei o meu filho mais velho, que estava na sala assistindo a um filme. Eu fiquei nervosa, mas, também tentávamos acalmá-lo”, afirmou ao G1 a vendedora Karla Cânepa, de 38 anos.

Segundo a mãe, a criança aparentava estar com muita dor, pois, “gemia e suava frio”. “Eu liguei no Samu [Serviço de Atendimento Médico de Urgência] e eles me orientaram a ir ao pronto-socorro imediatamente. Eu corri para a UPA [Unidade de Pronto Atendimento] do Coronel Antonino e ele ainda chorava muito. O médico viu, pegou um aparelho e fez a lavagem nele”, relembrou.

Ao ver o besouro, a mãe conta que o médico a chamou e falou do risco que é tentar tirá-lo em casa. “Ele disse que a pessoa pode empurrar o animal para dentro ainda mais. E por isso eu achei tão importante fazer esse alerta. Eu também sempre dormia com a janela aberta e naquele dia a luz estava acesa. Meu filho ficou bem dengoso. No outro dia já estava bem, brincando, só que ele não deixa abrir a janela de jeito nenhum”, finalizou.

Mãe usou o Facebook para falar sobre o episódio ocorrido com o filho em MS — Foto: Facebook/Reprodução

Mãe usou o Facebook para falar sobre o episódio ocorrido com o filho em MS — Foto: Facebook/Reprodução

Por G1/MS

Comentários Facebook

Campo Grande

Em Campo Grande| Corpo encontrado em quintal é de vendedora desaparecida desde abril; namorado é procurado pelo crime

Publicado

O corpo encontrado enterrado no quintal de uma casa no bairro Morada Verde, em Campo Grande, sexta-feira (1º), é da vendedora e estudante de enfermagem Graziela Pinheiro Rubiano, de 39 anos, que estava desaparecida desde o início de abril.
De acordo com a delegada responsável pelo caso, Ana Luiza Noriler da Silva Carneiro, três pessoas foram presas pela ocultação do cadáver e a polícia procura pela quarta, que seria o namorado de Graziela e quem a teria matado.
A Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher procura pelo suspeito, que tem 39 anos. Uma amiga de Graziela, que foi quem registrou boletim de ocorrência sobre o caso, disse ao G1 que há cerca de um mês e meio percebeu alguns hematomas no corpo dela e esta pediu para ‘deixasse quieto’ o assunto.

Corpo estava enterrado em fossa desativada ©Leonardo de França

Três presos

Três pessoas foram detidas: Uma travesti, com passagens pela polícia por tráfico, que morava na casa onde o corpo foi localizado; um homem identificado apenas como ‘Alemão’, que teria ajudado enterrar o corpo e uma mulher, que morava na residência ao lado pertencente a ‘Huck’, onde o crime pode ter sido executado. Huck, que teve um envolvimento amoroso com Graziele, está foragido.
A travesti afirmou à polícia que viu Alemão com Huck jogando o corpo na fossa de sua residência durante a madrugada. A polícia então encontrou, na casa ao lado, de Huck, onde ele morava com outra mulher, marcas de sangue e um pé de cabra. A mulher que mora com ele confessou que limpou marcas de sangue na residência.
A suspeita é de que Huck tenha matado Graziele em sua residência com o pé de cabra e junto com Alemão, enterraram o corpo na fossa desativada na casa da travesti. Foram levadas para a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), a travesti, a mulher que mora com Huck e Alemão. Huck está foragido.
Por G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Campo Grande

Em MS| Mãe e padrasto são presos por tortura de criança de 3 anos

Publicado

A Polícia Civil prendeu nesta terça-feira (21) em Campo Grande, uma mulher de 21 anos e um homem de 19 anos, que são suspeitos de tortura a uma criança de três anos, que foi internada nesta madrugada na Santa Casa, com fratura exposta de tíbia na perna esquerda.

A criança é filha da mulher. Ela recebeu o primeiro atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Leblon e devido à gravidade do ferimento foi transferida para o hospital.

Conforme o hospital, na UPA, em um primeiro momento a mãe disse que a criança tinha caído de um berço, a cerca de 80 centímetros de altura, na tarde de domingo, e que a encontrou no chão, chorando e se queixando de dores na perna esquerda.

Já após a transferência para o hospital, quando a Polícia Civil foi acionada pelo Conselho Tutelar, a mãe confessou a violência contra a criança e disse que tinha sido praticada com o padrasto.

Segundo o delegado Jarley Inácio de Souza, plantonista da Delegacia de Atendimento Comunitário (Depac) Cepol, ela foi presa em flagrante ainda no hospital. O padrasto que também estava no local fugiu e foi preso por volta das 4h, na casa dos seus pais. No local estava o outro filho da mulher, de 8 meses. A polícia vai investigar se o bebê também sofria agressões.

O delegado disse que com a equipe médica da Santa Casa foi constatada que a menina apresentava vários ferimentos pelo corpo. As lesões, conforme ele, teriam sido feitos em períodos diferentes, indicando que a vítima vinha sofrendo as agressões há algum tempo.

Jarley Inácio apontou que quando questionado sobre as agressões, o padrasto, que é evadido do presídio semiaberto da Gameleira, disse que batia na criança apenas para “educá-la”.

Segundo o delegado, tanto a mãe quanto o padrasto foram autuados pelo crime de tortura. Se condenados poderão pegar uma pena de 8 anos de prisão acrescida de um sexto, já que foi praticado contra criança.

No hospital, foi feito um exame ginecológico na menina, que não constatou sinais de abuso sexual. Ela passou por exames e aguarda cirurgia. A criança está acompanhada por uma cuidadora encaminhada pelo Conselho Tutelar.

O outro filho da mulher foi entregue para a guarda do Conselho Tutelar.

Por G1/MS

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

BRASILÂNDIA

POLICIAL

Mais Lidas da Semana