Três Lagoas-MS

  Últimas
Aliança Global aposta em informação e experiências para atletas
Personalidades entrevista o arcebispo de Campo Grande
BOLETIM COVID-19 – Três Lagoas tem 07 novos casos positivos e 05 confirmados estão na UTI
Prefeitura aplica multa a 06 estabelecimentos que descumprem Decreto e notifica outros 1112 locais
Saúde divulga monitoramento semanal de casos de Dengue e bairros mais infestados recebem bloqueio químico
Castramóvel fica mais uma semana na USF Santa Rita e depois vai para a Escola Gentil Rodrigues Montalvão
BOLETIM COVID-19 – Três Lagoas tem 23 novos casos positivos nesta terça-feira (30)
Obrigatoriedade da máscara em locais públicos e recomendação de uso dentro veículos particulares passam a valer a partir de hoje (1º)
Cultura abre prazo de cadastro para classe artística e de eventos de Três Lagoas receber auxílio emergencial
Prefeitura entrega 1ª etapa de reforma do Centro de Especialidades Médicas – CEM
Agepan autua carros de aplicativo que realizam transporte intermunicipal Corumbá-Ladário
Suspensão das aulas da REME de Três Lagoas é prorrogada até o dia 31 de julho em razão da COVID-19
BOLETIM COVID-19 – Três Lagoas tem 05 novos casos positivos e chega a 81 ativos da doença nesta quarta-feira (1º)
Novo prédio do CAPS II é inaugurado pelo prefeito Angelo Guerreiro
Saúde confirma 6º óbito por COVID-19 em Três Lagoas
Federação Paulista de Futebol Americano realiza campeonato virtual
Saúde em Foco fala sobre balão intragástrico
Entrega de novo auditório da UEMS põe fim à espera de 26 anos em Aquidauana
50 anos: Corpo de Bombeiros Militar atinge marca histórica com desafios e luta contra a Covid-19 em MS
Polícia Militar cumpre Mandado de Prisão durante policiamento em Porto Murtinho
Para prevenir contágio, internas do presídio de Rio Brilhante passam por testagem de Covid-19
Casa de Leis oficializa calamidade pública em Pedro Gomes, Deodápolis e Ivinhema
Polícia Militar prende condutor embriagado em Anaurilândia.
Polícia Militar Ambiental de Coxim autua empresário em R$ 5 mil por construção de barracão para fábrica degradando área protegida de matas ciliares do rio Coxim
Vasco e Madureira lutam por classificação na Taça Rio
Anastácio vai universalizar saneamento em três anos
Povo terena da Terra Indígena Taunay-Ipegue conquista asfalto após 40 anos de luta
Julho abre repetindo baixo isolamento do mês anterior, e consequências podem se agravar
Polícia Militar prende em flagrante condutor embriagado durante policiamento em Bela Vista
Com Nenê, Fluminense busca manter liderança do Grupo B do Carioca
Next
Prev

Mulher / Fashion

Ano bissexto: como fica o registro de quem nasce neste sábado, dia 29 de fevereiro

Publicado

Celebrado de 4 em 4 anos, a data ainda gera dúvidas em muitas pessoas, principalmente dos pais de bebês que podem nascer neste dia

O ano de 2020 já começou com todo mundo sabendo que ele seria mais longo, com 366 dias. Isso porque o ano é bissexto, com fevereiro indo até o dia 29. Muita gente ainda fica em dúvida de como lidar com a data, ainda mais em relação a nascimento de bebês. Afinal, como fica o registro de quem nascer neste sábado, 29 de fevereiro?

Mesmo apenas sendo celebrado de 4 em 4 anos, a lei é clara: as pessoas nascidas nesta data devem ter o dia exato na certidão de nascimento, conforme a Lei nº 12.662/2012,onde deverá constar dia, mês, ano, hora e Município de nascimento da criança.

O registro do bebê que nascer nesta data deve ser feito a partir da DNV (Declaração de Nascido Vivo), emitida por um profissional de saúde responsável pela gestação, do parto ou do recém-nascido, inscrito no CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde).

De acordo com o tabelião titular do 2º Ofício de Notas e Registro Civil, Ricardo Donini, não há nenhuma norma específica para quem nasça no dia 29 de fevereiro. “A função do cartório é registrar, não tendo autonomia de fazer qualquer tipo de alteração na DNV, que já vem preenchida da maternidade ou hospital”, resumiu o tabelião.

Conforme uma das maiores maternidades do estado, Maternidade Cândido Mariano, não haverá nenhuma medida específica para os bebês que nascerem neste sábado, 29 de fevereiro. “O nascimento no ano bissexto não interfere no registro civil”, disse maternidade.

Os pais que tiverem qualquer dúvida devem contatar o cartório, mas a Maternidade Cândido Mariano esclarece que, caso a DNV seja alterada, será considerado falsidade ideológica, conforme a lei citada.

Por tanto, os pais devem estar atentos aos documentos do bebê. Os responsáveis devem deixar de lado as superstições e deixar o registro no dia 29. A família deverá apenas decidir como será feita a celebração de aniversários nos anos que não são bissextos.

Entenda mais sobre o ano bissexto

O fenômeno, que ocorre de quatro em quatro anos, será o quingentésimo quarto (504ª) da Era Comum. O ajuste foi criado pelos romanos na época do imperador Júlio César para adequar o calendário ao tempo que a Terra leva para dar uma volta completa em torno do Sol.

A translação (volta ao redor do Sol) não é feita em exatos 365 dias, mas sim em 365 dias, cinco horas, 48 minutos e 46 segundos. Essa fração de tempo é arredondada para seis horas e é compensada no ano bissexto, já que seis horas, em quatro anos, são 24 horas, ou seja, mais um dia.

Convencionou-se o acréscimo de um dia ao mês de fevereiro, sendo o 29º dia, auge do inverno no Hemisfério Norte e do verão no Hemisfério Sul.

Informações do site Midiamax

Comentários Facebook

Mulher / Fashion

Por um carnaval mais seguro, Coletivo de Brechós MS se une em campanha contra o assédio e violência contra a mulher

Publicado

Com o carnaval chegando, e os desfiles e blocos de rua, além dos bailes em clubes, a discussão sobre assédio e abuso contra as mulheres se torna mais intenso. O que antes era visto como normal – como a famosa passada de mão, beijo sem consentimento – hoje não é mais aceitável. Na mídia, nas redes sociais as histórias se repetem todos os anos, mostrando o quanto mulheres são vulneráveis diante da intolerância e do machismo, algo muito presente no Brasil.

Com o intuito de empoderar mulheres a não aceitarem tais atitudes, o Coletivo de Brechós, composto de mulheres que atuam no segmento de brechó e trabalham com geração de renda, além de outros conceitos como sustentabilidade e a quebra de preconceito contra os usados, que fazem uma grande diferença no planeta, resolveram se unir e lançar uma campanha contra o assédio e violência contra a mulher no Carnaval.

Foi feito um ensaio fotográfico com integrantes do grupo, e peças dos brechós participantes, trazendo à tona a discussão e deixando claro que todo e qualquer abuso deve ser denunciado. A ideia é a conscientização das meninas, que muitas vezes não sabem que tais comportamentos podem ser enquadrados como assédio e violência, e agora é crime. Com cartazes como: “Se te digo não, é não!”, ou “Meu nome não PSIU”, as fotos deixam claro que o assédio neste carnaval não será permitido. O intuito é o encorajamento para que mais e mais mulheres se unam contra a violência.

Priscilla de Oliveira, 25 anos, uma das organizadoras do ensaio e integrante do Coletivo de Brechós, disse que se sente revoltada pois em pleno ano de 2020 ainda é comum este tipo de violência. “As meninas só querem se divertir em paz e ainda tem que passar por essa situação. Campanhas como essas são importantes para reafirmar algumas questões, tais como o pouco uso de roupa não dá direito a nada e muito menos é um convite”, afirma ela.

Foi pensando em conscientizar as mulheres, para que elas saibam o que é um assédio quando ele acontecer, que Priscilla juntou as meninas e organizou o ensaio. “Existem casos de pessoas que são assediadas e acabam nem percebendo. Então acho importante falar sobre o assunto principalmente no período do Carnaval, que é uma data tão propícia a acontecer casos de assédio’, explica ela.

Para Nathalia Oliveira, 27 anos, publicitária e integrante do Coletivo, é importante que seja bastante discutido sobre assédio (dentro e fora do carnaval). “Muitos que fazem piadinhas achando isso normal, acabam nos constrangendo, e infelizmente não são apenas piadinhas ou um assovio, vai além e não podemos deixar isso acontecer.”

Para Nathalia, o carnaval está aí para que todos possam curtir, brincar, dançar. As fantasias não são convites para tais abordagens grosseiras.

“Nós, mulheres temos direito de curtir, de ir e vir em segurança. Nós temos direitos de sermos quem quisermos. E foi por essa necessidade de “pedir” por nosso espaço de segurança que eu decidi participar dessa campanha”, finaliza ela.

Patrícia Araújo da Silva, 41 anos, integrante do Coletivo de Brechós também participou do ensaio e afirma que a roupa não define a moral da mulher. “Cada um se veste ou se fantasia do que quiser, é carnaval, mas isso não dá o direito nem a liberdade para sermos abusadas. Temos que nos unir e denunciar mesmo!”

Para Márcia Arguelho, administradora de empresas e que também faz parte do Coletivo de Brechós, essa campanha é para deixar claro que o assédio é qualquer comportamento indesejado praticado com reiteração e que afeta a dignidade da pessoa ou cria um ambiente hostil. Ela manda um recado para todas as foliãs que muitas vezes nem estão cientes de que tais comportamentos são uma violência: “Meninas nosso corpo não é uma propriedade masculina, respeito acima de tudo”, enfatiza ela.

Giovana Fernandes Ribeiro, 24 anos, integrante do Coletivo e participante da campanha, diz que é preciso mostrar que a culpa não é da roupa, do lugar ou da eventualidade em que se encontra que faça você “merecer” passar por algo que não deveria nem ser cogitado no outro te fazer passar. Para ela, o mais importante é mostrar que o assédio não é legal e sim violência, e reeducar certos pensamentos e atitudes. “Que as mulheres nunca se calem diante de uma situação de assédio, que o corpo são delas e também é delas o direito de ter respeito sobre ele”, afirma.

Kemilly Eduarda Maia Pereira, modelo e integrante do Coletivo de Brechós, diz que campanhas como essa fazem com que meninas que são assediadas tenham coragem de expor o caso. “Elas vão estar conscientes de que é uma violência, e tendo uma referência de que existem outras mulheres que já passaram por isso, terão mais coragem em denunciar”.

Ela afirma que esta campanha também deixa claro para os homens que as mulheres não vão mais aceitar tais atitudes, elas não são objetos, e eles vão aprender a respeitá-las, com ou sem roupas.

Números da Violência

A cada 11 minutos, uma mulher é estuprada no Brasil, mas apenas 7.5% denunciam o agressor. Pelas ruas do país, 98% das mulheres afirmam já terem sido cantadas, de acordo com dados da Secretaria Nacional de Segurança Pública. No período do Carnaval este número cresce em torno de 20%.

Em 2019 foi o primeiro ano em que a importunação sexual foi classificada como crime, de acordo com a Lei 13718/2018, e ainda não temos um estudo claro de impacto sobre o que mudou, mas diante deste cenário as iniciativas de combate a estes abusos se intensificam. A conscientização dos foliões é um dos objetivos da maioria das campanhas.

Entre os dias 1º e 05 do mês de março, dias de carnaval do ano passado, o Disque 100 recebeu 1.317 denúncias, que resultaram em 2.562 violações registradas. Os tipos de violações com índices mais altos foram negligência (933), violência psicológica (663) e violência física (477).

Sobre o Coletivo de Brechós do Mato Grosso do Sul

O Coletivo de Brechós é um grupo de mulheres que atuam no segmento de brechós desde 2014. Com conceitos como a sustentabilidade, reuso de peças e a quebra de preconceito contra roupas usadas, que ajudam muito o planeta, elas se unem, fazem eventos, buscam parcerias e trabalham basicamente no empoderamento destas mulheres. Nestes mais de 5 anos de existência já fizeram mais de 180 eventos no Mato Grosso do Sul.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher / Fashion

Mulher engravida de trigêmeos após passar uma noite com ex: “Fiquei chocada”

Publicado

Uma mãe que já tinha três filhas tomou um susto ao saber que tinha engravidado do seu ex-parceiro, depois de passar apenas uma noite com ele. Mas além da gravidez inesperada, ela recebeu outra notícia ainda mais chocante: eram trigêmeos!

De acordo com o portal Daily Mail , Charliann Broadhurst tem 28 anos e Ryan Hill era seu amor de infância. Ela passou 15 anos com ele e teve três filhas, mas se separou por conta de problemas que estavam enfrentando no relacionamento.

Acontece que depois disso os dois continuaram se vendo. Numa dessas visitas, uma coisa foi levando a outra e eles acabaram dormindo juntos. Foi o suficiente para Charliann engravidar de trigêmeos .

“Os trigêmeos definitivamente não foram planejados. Eu nunca nem imaginei que estivesse grávida . Eu fui aos médicos curiosa porque estava me sentindo realmente mal e eles me disseram que eu estava grávida. Fiquei chocada”, declara Charliann.

A ultrassom durou mais de 15 minutos e o médico disse que parecia haver outro feto. “Eu não sabia como enfrentar isso. Gêmeos eram um conto de fadas para mim. Sempre sonhei em ter gêmeos. Mas trigêmeos, uou!”, revela a mãe.

Charliann%2C Ryan e seus filhos
Reprodução/dailymail.co.uk

Charliann, Ryan e seus filhos

Quando ligou para o ex , ele quase bateu o carro ao saber da notícia. “Ele só ficou em silêncio”, diz ela. Depois de 20 semanas, o casal descobriu que teria dois meninos e uma menina, o que foi uma ótima surpresa, já que eles têm três meninas.

Gravidez de risco e complicações no parto

Apesar de ter ficado feliz com a notícia, estar grávida de três bebês foi um desafio. “A gravidez em si foi horrível. Não posso dizer que gostei de uma única parte dela. Foi assustador. Eu fazia ultrassom toda semana, ia para testes toda semana. Eu achava que eles iam morrer a qualquer momento”, revela Charliann.

Os bebês sofriam risco de morrer por conta da Síndome de Transfusão Intergemelar (STFF) que sofreram. A síndrome pode acontecer quando os bebês compartilham uma placenta e pode fazê-los parar de crescer.

E foi o que aconteceu. Com 29 semanas, o ultrassonografista revelou uma notícia devastadora: os bebês tinham parado de crescer. Ou seja, Charliann deveria fazer uma cesariana de emergência e foi encaminhada para a cirurgia no Hospital de Nottingham.

Ryan quase perdeu o parto. “Eu realmente achava que Ryan ia perder o parto”, afirma Charliann. “Tem dois hospitais em Nottingham e ele, com pressa para chegar, acabou indo para o hospital errado”, lembra. Ela conta que tomou a anestesia epidural e ficou na mesa chorando e perguntando: “Onde está Ryan?”. Mas ele chegou a tempo.

Os trigêmeos do casal sofreram a Síndrome de Transfusão Intergemelar%2C muito comum
Reprodução/dailymail.co.uk

Os trigêmeos do casal sofreram a Síndrome de Transfusão Intergemelar, muito comum
Leia Também:  Mulher tem reação alérgica severa após tentar corrigir preenchimento labial

Os trigêmeos nasceram às 00h31 do dia 31 de maio de 2019. A pequena Ryana nasceu primeiro com 1 kg, depois veio Carter com 7 kg e por último Cayon, com 8 kg. Todos nasceram no mesmo minuto e Carter e Cayon são gêmeos idênticos.

Rotina com trigêmeos

No primeiro mês, Charliann revela que passava oito horas por dia amamentando. Agora, acorda às 4 da manhã para lavar dois cestos de roupa e fazer café da manhã para 6 crianças.

“Minha vida é lavar, cozinhar, fazer recados, pegar as coisas deles para a escola”, afirma. Apesar das complicações, elogia os filhos mais velhos que, assim como o pai, ajudam nas tarefas de casa e distraem os mais novos.

Hoje, Charliann pensa em tirar mais um ano ou dois de licença antes de se dedicar ao voluntariado. Ela e o ex reataram e, agora que tem 6 filhos com Ryan, incluindo os trigêmeos , também considera se casar com ele. Por enquanto, brinca: “Acho que ficarei muito ocupada por um bom tempo”.

Fonte: IG Delas

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

BRASILÂNDIA

POLICIAL

Mais Lidas da Semana