TRÊS LAGOAS MS
  Últimas
PMA de Aparecida do Taboado fiscaliza 29 embarcações, 58 pescadores e apreende 1.000 metros de redes de pesca em três rios e solta 30 kg de peixes vivos dos petrechos ilegais
Timão conclui preparação para mais um clássico diante do Santos
Elenco se reapresenta após o Choque-Rei
Veiga trreina com elenco, fala da recuperação.
Flamengo finaliza preparação para a partida contra o América-MG, pelo Brasileirão
Tubarão vence o Guarani no Estádio do Café
Vasco vence o Operário em São Januário e se mantém invicto no Brasileiro
Flamengo tenta retomar o caminho das vitórias diante do América-MG
Pavimentação da MS-320 integra rota da celulose e realiza sonho de produtores
MS ganha novo HR, a maior fábrica de celulose do mundo e mais investimentos no interior do Estado
Jucems recebe da Sejusp 30 notebooks que vão otimizar atendimento ao cidadão
CRE-11 de Ponta Porã recebe 6ª edição da Teia da Educação 2022
Com adesão de municípios, Programa “Bem Nascer MS” projeta avanços na saúde materno-infantil
Fundtur MS e Sebrae realizam o Seminário de Turismo Responsável em Corumbá
Conheça os detalhes do edital da Nova Ferroeste que vai ligar Maracaju até Paranaguá
Sábado será de sol e leve mudança no clima no interior do Estado
Polícia Militar Rodoviária apreende carga de descaminho, na MS 386, em Aral Moreira
Série B: Vasco derrota Operário e cola no líder Cruzeiro
Presidente homenageia profissionais e representante de organização cristã
Em coletiva, secretário de Segurança diz que polícia vai atuar para evitar mais confrontos em áreas de tensão
Basquete 3×3: seleção feminina se classifica para oitavas do Mundial
Tatiana Weston-Webb alcança semifinais do Rio Pro em Saquarema
Seleção feminina perde para Dinamarca em primeiro amistoso na Europa
AGEMS representa MS na II Maratona Nacional de Defesa dos Direitos dos Usuários de Serviços Públicos
PMA realiza palestras para 414 alunos nas atividades do mês do Meio Ambiente
Governo conclui entrega de 15 mil toneladas de calcário para todas as aldeias indígenas de MS
Polícia Militar Ambiental de Aquidauana, Corumbá e Batayporã realizam palestras para 414 alunos nas atividades do mês do Meio Ambiente
Endemias encerra “Semana de Conscientização” de combate ao aedes aegypti
SMAS alerta que não está com vagas abertas para contratação nos CRAS de Três Lagoas
Polícia Militar prende homem por porte ilegal de arma de fogo em Sidrolândia
Next
Prev

Agronegócios

UEMS faz parceria com criador para preservação do bovino pantaneiro

Publicado

Em risco de extinção, o bovino pantaneiro tem sido pesquisado pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), em Aquidauna, que fez parceria com criadores do gado  tanto para análises, como para aumento de animais da espécie.

Trabalhando em parceria com o criador Marcus Antônio Ruiz, o pesquisador e professor da UEMS de Aquidauana, Marcus Vinícius de Oliveira, realiza experimentos para identificar animais com potencial genético para leite dentro da raça. Já que o gado pantaneiro, conhecido também como tucura, é considerado um espécie em extinção, mas tem relevância por sua história e importantes características – como a rusticidade e a resistência a doenças.

“Vale lembrar que esse grupo genético não sofreu nenhum trabalho de seleção e melhoramento até hoje”, diz Marcus Vinícius – como sofreu, por exemplo, a raça Girolando. Mesmo assim, o pesquisador afirma que identificou uma produção leiteira que já é superior à média do MS: cerca de  5 kg/dia, em comparação com os 2,2 kg/dia produzidos no estado.

O produtor rural Marcus Ruiz, de Jardim, herdou do pai algumas cabeças de gado pantaneiro, a princípio foi criticado, pois na região o predomínio é da raça Nelore, com muitos produtores e raça selecionada. Contudo, tempos depois descobriu, por meio de um livro da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que tinha em mãos o gado que foi o início da força da pecuária do Brasil e do Mato Grosso do Sul.

Pela internet encontrou o site da UEMS e o projeto com o gado, entrou em contato e o pesquisador, Marcos Vinícius,  visitou a fazenda que tem 22 cabeças do bovino Pantaneiro. “O gado corre risco de extinção, no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul são menos de mil cabeças e existe o interesse governamental na manutenção desta bagagem genética, inclusive porque este gado tem uma alta tolerância ao carrapato, que hoje é um inibidor do crescimento da pecuária de leite em muitos lugares”, explicou o professor da Universidade ao criador.

O produtor rural hoje é parceiro do projeto da UEMS, junto à Embrapa,   o Centro Nacional de Pesquisa de Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen)  de Brasília e a Fundação de Apoio Universitário (FAU). “As vacas vão para Aquidauana, onde irão entrar no programa de seleção, serão coletados os óvulos e fertilizados em touros do Pantanal, que não tem contato direto com o ser humano. Os sêmens serão retirados com duas vertentes, a leiteira e de carne, para se aproveitar o que a raça tem de melhor, que é a rusticidade. E quem sabe nesta vaquinha pequena e desvalorizada, que significava animal sem raça e sem valor, esteja a grande resposta para a pecuária do mundo para os próximos anos”, disse o produtor, Marcus Ruiz.

De acordo com o criador, a raça é considerada precoce, pois as fêmeas entram no cio mais rápido depois do parto, além do problema quase inexistente da retenção de placenta, também os bezerros machos – com dois anos – já têm a possibilidade de emprenhar as fêmeas.

UEMS

Comentários Facebook

Agronegócios

Transporte bovino, vazio sanitário e exportações são destaques no MS no Campo desta semana

Publicado

por

O MS no Campo desta semana destaca que o vazio Sanitário da Soja, período em que é proibido manter nas lavouras plantas vivas de soja, começou nesta quarta-feira, dia 15, em todo o Mato Grosso do Sul. Para respeitar o vazio sanitário, após a colheita da soja, o produtor precisa destruir as plantas por meio da aplicação de produtos químicos ou com métodos físicos.

Vamos ouvir o diretor presidente da Iagro/MS, Daniel Ingol, que falou sobre a importância da medida.

O programa ainda destaca o superávit da balança comercial do Estado. Jaime Verruck, secretário da Semagro, destaca as vendas externas de soja, celulose, carne bovina e de aves.

O programa ainda traz informações sobre o aumento na demanda por crédito rural em Mato Grosso do Sul.

Semanalmente distribuído para aproximadamente 145 emissoras de rádio parceiras, com alcance nos 79 municípios por meio de frequência FM, o programa ainda é disponibilizado para download no portal oficial do Governo de Mato Grosso do Sul, Portal MS.

A produção, reportagem e apresentação é da jornalista Katiuscia Fernandes, com edição de Fernando Blank, e conta com apoio da equipe de jornalistas da Subsecretaria de Comunicação e da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro). Ouça agora.

Katiuscia Fernandes – Subsecretaria de Comunicação

Fonte: Governo MS

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócios

Hidrovia do Paraguai amplia navegação e movimenta 1,4 milhão de toneladas em MS

Publicado

por

O rio Paraguai atingiu no início desta semana, o nível de até 3,1 metros e ampliou a capacidade de navegação ma hidrovia, após um período de intensa seca no ano passado e até paralisação do transporte aquaviário em Mato Grosso do Sul.

De acordo com a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), Mato Grosso do Sul registrou movimentação de 1,4 milhão de toneladas de cargas pelos portos estaduais, no primeiro quadrimestre do ano. O destaque foi o minério de ferro com 1,3 milhão de toneladas, seguido por sementes e outros grãos e ferro fundido. O volume ainda é inferior ao ano passado em torno de 10% mas já sinaliza uma melhora nas condições da via de escoamento.

O minério de ferro liderou em termos de mercadorias na pauta de exportações do Estado pela hidrovia. No início deste mês uma nova empresa de mineração de Corumbá, a MPP (Mineração Pirâmide e Participações) realizou suas exportações para a Europa pelo porto da Granel Química, em Ladário, onde é intensa a movimentação diuturna de máquinas e caminhões. Os carregamentos estão sendo acelerados para aproveitar o nível navegável do Rio Paraguai previsto para até o mês de setembro. Dois comboios de barcaças transportam 60 mil toneladas mensalmente em direção aos terminais argentinos e uruguaios, onde é feito o translado.

Para o secretário de Produção, Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico e Agricultura Familiar (Semagro) a hidrovia é um canal fundamental e estratégico na logística de Mato Grosso do Sul.

Secretário de produção Jaime Verruck destacou a importância da hidrovia no modal de transporte de MS- Arquivo Kelly Ventorim

“Para a Bolívia a hidrovia garante todo o fluxo de exportação e importação de Santa Cruz de La Sierra. Já em Corumbá após os problemas do ano passado, nós sentimos uma retomada no transporte. Se formos olhar, lá em 2015 a 2016 criamos um programa para estimular construção de novos portos dentro do Programa de Apoio a Exportação pela hidrovia do Paraguai. Se formos observar os sistemas, Mato Grosso do Sul tem esta disponibilização de transporte de Corumbá até Nueva Palmira na Argentina. Além do apelo turístico. Estamos falando aqui principalmente de transporte”, enfatizou.

Importante via

A hidrovia sempre foi uma opção de transporte de peso em Mato Grosso do Sul e com tendência de crescimento das exportações. “Temos que atender a Argentina para onde exportamos soja aé Nueva Palmira e ainda outros mercados internacionais. Hoje a Argentina é nossa 3ª ou 4ª parceira comercial”, relembrou o secretário.

Volume de grãos em Murtinho ficou em 171,4 mil toneladas  (Fotos Divulgação FV Cereais)

Em Porto Murtinho, a FV Cereais confirma a tendência de aumento no escoamento de grãos pela hidrovia. Segundo o gerente de operações portuárias Genivaldo Santos, neste ano a empresa retomou as exportações de grãos pela hidrovia. Desde abril foram 171.468 toneladas de grãos.

Mais investimentos
Verruck destacou que diante do aumento no transporte os terminais portuários estão fazendo investimentos. “Temos em Ladário, a Granel Química que está ampliando sua capacidade, com o crescimento no volume de cargas. São mais de R$ 100 milhões em investimentos já apresentados ao Governo do Estado, diante do avanço da mineração em Corumbá. Já temos duas mineradoras operando e agora mais duas iniciaram operação. Temos quatro mineradoras usando a hidrovia”, lembrou.
Na pecuária também teremos investimento no transporte de gado. Ladário assumiu recentemente um porto da União para embarque e desembarque de gado. Isso está sendo debatido com o Sindicato Rural de Corumbá”, salientou.
Já em Porto Esperança, o secretário relembra que tem ligação com a ferrovia. “No Porto Esperança a operação ferroviária está conectada. E finalmente em Porto Murtinho, os terminais bateram recorde de exportação este ano e são mais voltados para a soja”, pontuou.

Desafios

Hidrovia teve aumento na navegabilidade na região de Porto Murtinho  (Foto: Toninho Ruiz)

Entre os desafios para melhorar a navegabilidade o secretário cita a necessidade de se fazer duas curvas entre Corumbá e Porto Murtinho. “Há anos estamos debatendo esta dragagem que facilitaria a navegação pela hidrovia. Precisamos ainda trabalhar com balizamento a hidrovia. Isso é uma discussao antiga que iria melhorar a hidrovia, principalmente nas operações noturnas”, citou.
Além das medidas estruturais, o secretário cito a importância de se trabalhar na proteção das nascentes dos rios que desaguam na hidrovia. “São investimentos necessários para potencializar a hidrovia. Temos que fazer um trabalho nas nbascentes dos rios que desembocam para ter volume de agua. Isso é fundamentamel a gestão dos recursos hídricos para atividade que é secular. A hidrovia é estratégica para MS e permite os acessos aos portos internacionais”, salientou.
A hidrovia ainda tem vantagem de custo competitivo. “Numa relação de custo inicial de rodovia, ferrovia e depois hidrovia, a última tem vantagem. Além disso na hidrovia a capacidade de carga é elevada e o custo menor”, adiantou.
O secretário ainda destacou que as empresas têm investidos em novos equipamentos mais modernos que trafegam nas hidrovias. São novos rebocadores e novas barcaças para usar em periodo de águas baixas. Ou seja um investimento massivo em novos equipamentos”, afirmou Verruck.

De acordo com boletim da Sala de Situação do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), no dia 14 o nível do rio Paraguai em Ladário estava em 2,53 metros, em Porto Esperança em 1,82 mt e em Porto Murtinho chegou a 3,13 metros.

Rosana Siqueira, da Subcom
Foto do destaque: Chico Ribeiro

Fonte: Governo MS

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

Assembléia Legislativa MS

Mato Grosso do Sul

POLICIAL

Mais Lidas da Semana