Notícias da Região

Secretaria de Saúde investiga primeiro caso suspeito de coronavírus em Mato Grosso do Sul

Publicado

O secretário de estado de Saúde de MS, Geraldo Resende, confirmou ao Jornal Midiamax nesta quarta-feira (26) que a SES (Secretaria de Estado de Saúde) investiga caso suspeito do novo coronavírus (CoVid-19) em Ponta Porã. O Lacen (Laboratório Central) está responsável pelo exame que pode comprovar o diagnóstico.

O paciente, que não teve identificação e nem origem informadas, teria vindo da China e chegado a Ponta Porã com sintomas gripais e estaria internado no Hospital Regional de Ponta Porã em isolamento.

Se os exames acusarem a doença, este será o segundo caso confirmado do novo coronavírus no Brasil. Após o primeiro caso, a SES recomendou na terça-feira (25) que os 79 municípios de Mato Grosso do Sul estejam com seus fluxos estabelecidos, após emissão de nota técnica que estabelece o protocolo a ser seguido.

“Foi elaborada nota técnica sobre as ações a serem adotadas em caso de surgimento de pessoas com os sintomas da doença e de como proceder com a coleta de amostras para exames. A nota já foi enviada aos profissionais de saúde dos 79 municípios e também a todos os serviços de saúde públicos e privados”, traz a comunicação da secretaria.

Confira a nota da SES na íntegra:

Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul (SES-MS) informa que foi notificada na noite desta terça-feira (25.02), através do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS), de um possível caso suspeito no Estado para o novo coronavírus. Trata-se de um homem com 24 anos de idade, com histórico de viagem de 14 dias na Tailândia, com vôo de conexão em Pequim na ida e vôo de conexão de volta na Alemanha. Desembarcou no aeroporto de Guarulhos e veio de carro até o município de Ponta Porã.

O paciente foi atendido no hospital Regional de Ponta Porã, apresentando febre, coriza e dor de garganta. Seguindo o protocolo previamente estabelecido pela SES-MS, e de acordo com as recomendações do Ministério da Saúde, o paciente, que já está internado no isolamento da unidade com sintomas leves, está sendo avaliado pela equipe médica do hospital para confirmação ou descarte do caso. Amostras já foram coletadas para análise laboratorial de COVID-19, Influenza e outros vírus respiratórios.

Desde janeiro, a SES tem tomado diversas medidas de prevenção e monitoramento do novo coronavírus. Foi criado o Centro de Operações de Emergência (COE/MS) com o objetivo de auxiliar na definição de diretrizes estaduais para vigilância, prevenção e controle, bem como o acompanhamento e avaliação das ações desenvolvidas pelo Governo do Estado. Não foram detectados casos suspeitos no Estado.

Também foi elaborada nota técnica sobre as ações a serem adotadas em caso de surgimento de pessoas com os sintomas da doença e de como proceder com a coleta de amostras para exames. A nota já foi enviada aos profissionais de saúde dos 79 municípios e também a todos os serviços de saúde públicos e privados.

A SES também realizou reuniões nos municípios de Corumbá e Ponta Porã para prestar cooperação técnica na construção do fluxo de vigilância e atendimento de possíveis casos suspeitos na região de fronteira.
Importante salientar que o paciente encontra-se estável, sem sinais de agravamento, com todos os protocolos sendo seguidos pela equipe de saúde local.

CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIA (COE/MS)
SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MATO GROSSO DO SUL

 

Ministro pede calma

Em entrevista ao Portal G1 nesta quarta-feira (26), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, pediu cautela e evitou alarmismo diante do primeiro caso confirmado no Brasil. Ele destacou que o país vai se preparar da melhor maneira. “É uma gripe, vamos passar por ela e colocar todas as fichas na ciência”, disse o ministro da Saúde. “E não podemos perder a noção de humanidade”, completou.

O ministro destacou, ainda, que um dos desafios está no clima do Brasil, que difere dos países onde o novo coronavírus se instalou. Segundo ele, não é possível saber se a ação do coronavírus em climas quentes é potencializada ou diminuída – o novo coronavírus surgiu durante o inverno chinês. Ele pontuou, ainda, que o período é pouco propício para um vírus respiratório.

Por Midiamax

Comentários Facebook

Notícias da Região

Em Castilho| Criança de 6 anos morre ao ser picada por escorpião

Publicado

Brayan Joseph Marques de Lima, 6 anos, morador do bairro Nelson Borges, em Castilho, morreu na madrugada desta quinta-feira (9), na Santa Casa de Araçatuba. O menino foi vítima da picada de um escorpião no rosto na terça-feira (7), quando brincava no quarto de sua casa com a sua mãe.

O Paparazzi News apurou que a vítima estava em casa brincando enrolado em uma coberta, quando sentiu o seu rosto doendo, a sua mãe rapidamente desenrolou a coberta e caiu o bicho no chão, que foi morto.

A criança foi socorrida ao pronto-socorro, em seguida foi transferida para a Santa Casa de Andradina onde entrou com o quadro de náusea e parada cardíaca que foi revertida e em seguida foi transferido para a Santa Casa de Araçatuba onde permaneceu internado na UTI infantil e na madrugada não resistiu falecendo.

A Escola Youssef Neif Kassab em que o menino estudou lamentou o fato e fez uma postagem nas redes sociais; “Hoje é um dia muito triste para a nossa escola, o nosso aluno Brayan Joseph Marques de Lima do 1 ano branco veio a óbito, não dá para descrever com palavras tamanha dor.
“Pedimos a Deus que conforte toda a família, que lhes dê força para enfrentar este momento tão doloroso. Um anjinho de luz foi brilhar no céu.”

A família aguarda a chegada do corpo prevista para o meio dia para se despedir com o sepultamento. Vale lembrar que o velório é apenas para os familiares, baseado na lei do distanciamento social da Covid-19.

Comentários Facebook
Continue lendo

Notícias da Região

Jovem morto por Covid-19 aos 26 anos em São Paulo

Publicado

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O jovem Mauricio Kazuhiro Suzuki, com 26 anos recém completados no início do mês, era advogado e tinha hábitos saudáveis -frequentava uma academia e tinha o hábito de correr, tendo já competido em algumas provas, inclusive uma meia maratona. Por isso, a notícia de sua morte em decorrência do coronavírus, neste sábado (28), deixou amigos e familiares perplexos.

“Foi um golpe duro”, conta Diego Meireles, amigo que conheceu Suzuki quando os dois estudavam direito no Mackenzie. “Nunca cogitamos essa possibilidade. Ficamos [ele e amigos] meio sem entender como o vírus acabou fazendo dele uma vítima.”

Mauricio, que morava com os pais em Itaquera (zona leste de SP), começou a ter febre na segunda (16). Segundo sua irmã, ele foi ao Hospital Cruz Azul, na quarta (18), acompanhado de sua mãe, após a febre persistir mesmo com o uso de medicamentos.

Durante a consulta não foi realizado nenhum exame e os médicos disseram que era uma gripe, receitando remédios para aliviar os sintomas. Preocupado, Mauricio não voltou para a casa dos pais, já idosos, e foi para a casa da irmã, que vive em Diadema com o marido.

No dia seguinte, após nenhuma melhora, ele voltou ao no hospital, desta vez no Santa Cruz, e acompanhado da irmã. Uma tomografia mostrou que havia fortes sinais de infecção por coronavírus mas, como não apresentava nenhum quadro grave, foi enviado novamente para casa e sem realizar exame de confirmação. A indicação era que voltasse caso os sintomas evoluíssem.

E foi o que aconteceu. O jovem procurou o pronto-socorro da unidade no dia 23 com quadro de síndrome respiratória grave e foi direcionado para a Unidade de Tratamentos Intensivos. O quadro foi se agravando até que, no sábado, ele não resistiu e morreu.

O teste para Covid-19 foi realizado após uma tomografia de tórax revelar padrão compatível com pneumonite viral, o que tornou o caso suspeito, informou o hospital, após o óbito, por meio de uma nota.

Simone conta que os próprios médicos ficaram surpresos com o caso, uma vez que Mauricio não fazia parte de nenhum grupo de risco e não tinha nenhuma doença pré-existente -a única coisa é que tinha altos níveis de ácido úrico no sangue, mas tomava remédio para controlar a situação.

Após a perda do irmão, Simone agora acompanha os pais que estão internados na Prevent Senior por apresentarem quadro de coronavírus. “Eles estão com grande suspeita, vão coletar o exame hoje talvez. Eles são grupos de risco, idosos, mais debilitados”, contou.

Procuradas, as assessorias dos hospitais Santa Cruz e Cruz Azul não responderam à reportagem até a publicação deste texto.

Em post nas redes sociais, amigos e familiares de Mauricio prestaram homenagens, mas também chamaram a atenção para a gravidade do novo coronavírus.

“Quero deixar aqui é principalmente o alerta sobre essa ‘gripezinha’. […] Por favor sejam sensatos e não caiam nessa de ‘isolamento vertical’. Não queiram passar pelo que eu e minha família estamos passando”, escreveu uma prima no Facebook.

“Ele era uma pessoa muito querida, de coração enorme, inteligentíssimo e muito determinado”, descreveu Pedro Kuchminski, também amigo dos tempos de faculdade.

Mauricio ainda tinha hábitos saudáveis, frequentava academia e, há cerca de dois anos, também corria. “Ele fazia uns treinos e eventualmente até se inscrevia em algumas provas”, complementa Meireles.

Formado em 2018 pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Mauricio trabalhava em um escritório de advocacia empresarial.

Ele começou como estagiário em outra empresa e, quando um dos sócios decidiu abrir seu próprio negócio, convidou Mauricio para acompanhá-lo. “Ele era admirado, Hernani [seu chefe] zelava por ele”, contra Meireles.

Mauricio foi velado no Cemitério Jardim do Pêssego, em Itaquera, neste domingo (29), com a presença de familiares. Já os amigos acompanharam pelo Zoom (aplicativo de vídeo). “Ninguém tinha condições de ir e ninguém queria correr o risco visto que ele não era grupo de risco, um cara super saudável e ativo”, contou Meireles.

Fonte: gauchazh

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

BRASILÂNDIA

POLICIAL

Mais Lidas da Semana