Notícias da Região

São Paulo registra quatro mortes por coronavírus

Publicado

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo confirmou hoje (18) a morte de mais três pessoas devido à Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, no estado. No total, São Paulo contabiliza quatro mortes.

De acordo com a secretaria, as três vítimas de hoje são homens, tinham comorbidade – alguma doença anterior preexistente – e tinham 65, 81 e 85 anos, respectivamente. Todos foram atendidos em hospitais privados na capital paulista. Dois deles estavam no Hospital Sancta Maggiore, no bairro do Paraíso, em São Paulo. O paciente de 81 anos era morador do município de Jundiaí (SP) e os demais de São Paulo.

primeiro óbito no estado, em relação a Covid-19, foi confirmado ontem (17), também no Hospital Sancta Maggiore: um homem de 62 anos, com doenças crônicas, sem histórico de viagem, que morreu no dia 16, após ter ficado internado desde o dia 14 na unidade de terapia intensiva (UTI).

Até as 18h45 de hoje, o estado registrava 240 casos confirmados, 214 na cidade de São Paulo, 6 em São Caetano do Sul, 6 em Santo André, 3 em São Bernardo do Campo, e 1 em cada uma das seguintes cidades: Osasco, Ferraz de Vasconcelos, Cotia, Barueri, Guarulhos, Mauá, Santana do Parnaíba, São José dos Campos, Campinas, São José do Rio Preto e Jaguariúna.

Comentários Facebook

Notícias da Região

Jovem morto por Covid-19 aos 26 anos em São Paulo

Publicado

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O jovem Mauricio Kazuhiro Suzuki, com 26 anos recém completados no início do mês, era advogado e tinha hábitos saudáveis -frequentava uma academia e tinha o hábito de correr, tendo já competido em algumas provas, inclusive uma meia maratona. Por isso, a notícia de sua morte em decorrência do coronavírus, neste sábado (28), deixou amigos e familiares perplexos.

“Foi um golpe duro”, conta Diego Meireles, amigo que conheceu Suzuki quando os dois estudavam direito no Mackenzie. “Nunca cogitamos essa possibilidade. Ficamos [ele e amigos] meio sem entender como o vírus acabou fazendo dele uma vítima.”

Mauricio, que morava com os pais em Itaquera (zona leste de SP), começou a ter febre na segunda (16). Segundo sua irmã, ele foi ao Hospital Cruz Azul, na quarta (18), acompanhado de sua mãe, após a febre persistir mesmo com o uso de medicamentos.

Durante a consulta não foi realizado nenhum exame e os médicos disseram que era uma gripe, receitando remédios para aliviar os sintomas. Preocupado, Mauricio não voltou para a casa dos pais, já idosos, e foi para a casa da irmã, que vive em Diadema com o marido.

No dia seguinte, após nenhuma melhora, ele voltou ao no hospital, desta vez no Santa Cruz, e acompanhado da irmã. Uma tomografia mostrou que havia fortes sinais de infecção por coronavírus mas, como não apresentava nenhum quadro grave, foi enviado novamente para casa e sem realizar exame de confirmação. A indicação era que voltasse caso os sintomas evoluíssem.

E foi o que aconteceu. O jovem procurou o pronto-socorro da unidade no dia 23 com quadro de síndrome respiratória grave e foi direcionado para a Unidade de Tratamentos Intensivos. O quadro foi se agravando até que, no sábado, ele não resistiu e morreu.

O teste para Covid-19 foi realizado após uma tomografia de tórax revelar padrão compatível com pneumonite viral, o que tornou o caso suspeito, informou o hospital, após o óbito, por meio de uma nota.

Simone conta que os próprios médicos ficaram surpresos com o caso, uma vez que Mauricio não fazia parte de nenhum grupo de risco e não tinha nenhuma doença pré-existente -a única coisa é que tinha altos níveis de ácido úrico no sangue, mas tomava remédio para controlar a situação.

Após a perda do irmão, Simone agora acompanha os pais que estão internados na Prevent Senior por apresentarem quadro de coronavírus. “Eles estão com grande suspeita, vão coletar o exame hoje talvez. Eles são grupos de risco, idosos, mais debilitados”, contou.

Procuradas, as assessorias dos hospitais Santa Cruz e Cruz Azul não responderam à reportagem até a publicação deste texto.

Em post nas redes sociais, amigos e familiares de Mauricio prestaram homenagens, mas também chamaram a atenção para a gravidade do novo coronavírus.

“Quero deixar aqui é principalmente o alerta sobre essa ‘gripezinha’. […] Por favor sejam sensatos e não caiam nessa de ‘isolamento vertical’. Não queiram passar pelo que eu e minha família estamos passando”, escreveu uma prima no Facebook.

“Ele era uma pessoa muito querida, de coração enorme, inteligentíssimo e muito determinado”, descreveu Pedro Kuchminski, também amigo dos tempos de faculdade.

Mauricio ainda tinha hábitos saudáveis, frequentava academia e, há cerca de dois anos, também corria. “Ele fazia uns treinos e eventualmente até se inscrevia em algumas provas”, complementa Meireles.

Formado em 2018 pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Mauricio trabalhava em um escritório de advocacia empresarial.

Ele começou como estagiário em outra empresa e, quando um dos sócios decidiu abrir seu próprio negócio, convidou Mauricio para acompanhá-lo. “Ele era admirado, Hernani [seu chefe] zelava por ele”, contra Meireles.

Mauricio foi velado no Cemitério Jardim do Pêssego, em Itaquera, neste domingo (29), com a presença de familiares. Já os amigos acompanharam pelo Zoom (aplicativo de vídeo). “Ninguém tinha condições de ir e ninguém queria correr o risco visto que ele não era grupo de risco, um cara super saudável e ativo”, contou Meireles.

Fonte: gauchazh

Comentários Facebook
Continue lendo

Notícias da Região

Primeiro óbito por suspeita de covid-19 é registrado em Andradina

Publicado

Idoso de 83 anos estava internado desde o dia 25 na Santa Casa

Na última quarta-feira (25), um idoso de 83 anos, deu entrada na Santa Casa de Andradina com desconforto respiratório e sintomas persistentes de gripe, sendo encaminhado a leito isolado, para cuidados médicos e aguardar o resultado do exame que atestaria positivo ou negativo para o novo coronavírus.

Quatro dias depois, mesmo com todos os cuidados e procedimentos necessários para estabilizar o quadro clínico, o paciente que também era cardiopata, veio a óbito.

Não é possível ainda confirmar, que o óbito se deu em decorrência a COVID-19, é preciso aguardar o resultado do exame para que se possa atestar ser a primeira vítima andradinense.

A Irmandade Santa Casa de Andradina ressalta a importância de se manter todos os cuidados, principalmente com os idosos.
O hospital, segue preparado para atender a possível demanda de casos suspeitos e informa que os demais casos que estavam em isolamento, receberam alta para continuar a quarentena em casa e monitorados pela Vigilância Epidemiológica.

Por HojeMais

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

BRASILÂNDIA

POLICIAL

Mais Lidas da Semana