Três Lagoas-MS

  Últimas
Paulo Corrêa participa da posse no TJMS e ressalta respeito entre os poderes
Polícia Militar Ambiental de Bonito captura jiboia de dois metros em quintal de residência e a solta em seu habitat
Prorrogado por mais 15 dias o toque de recolher no MS
Senasp vai à fronteira conhecer trabalho das forças de segurança do Estado
Em Naviraí, Polícia Militar apreende adolescente por tráfico de drogas e posse irregular de arma de fogo
Em Eldorado, Polícia Militar prende homem por transporte ilegal de agrotóxico
Em quatro dias, mais de 11 mil pessoas foram vacinadas contra Covid-19 em Mato Grosso do Sul
Chuva acima da média histórica desabriga famílias e meteorologia prevê tempo fechado para os próximos dias
Sala de Situação do Imasul alerta para risco de transbordamento dos rios Miranda e Aquidauana
Agehab e Prefeitura de Alcinópolis consolidam parceria que beneficiará mais 25 famílias
Em posse do TJMS, Reinaldo Azambuja destaca importância do Poder Judiciário no combate à pandemia
Medição de produção de carne, com foco em índices e resultados, é conteúdo de curso gratuito do Senar/MS
Suzano abre sete processos seletivos com vagas para a Indústria e setor florestal em Três Lagoas e Brasilândia
Hoje é o último dia para pais e responsáveis efetuarem a matrícula da primeira etapa para a Rede Municipal de Ensino de Três Lagoas
Prazo de vencimento de certidões passa para 90 dias em Três Lagoas
Detran-MS inicia primeiro leilão do ano e mais de 150 veículos poderão voltar a circulação
MS tem plano de fiscalização do combate à Covid 2021
Vale Universidade começa a receber termos de compromisso de acadêmicos beneficiários
Homem é preso pela Polícia Militar por traficar drogas e corromper menor em Paranaíba
Policia Militar de Bodoquena conduziu três motoristas embriagados para a delegacia nesta semana
MS notifica 31 novos óbitos por coronavírus
Secretaria de Estado de Saúde toma medidas para evitar “fura filas” da vacina contra Covid-19
Polícia Militar Ambiental de Bela Vista captura tamanduá-mirim ferido no centro da cidade
Polícia Civil de Três Lagoas recupera mercadorias avaliada em R$ 400 mil
SUPERLIGA B MASCULINA: Primeira rodada começa neste sábado com duas partidas
Em Ribas do Rio Pardo| Suzano formará 30 operadores de colheita florestal
Escolagov abre inscrições para curso inédito sobre web conferências
Palmeiras não reage diante do Flamengo que brilha e conquista o 3º lugar na tabela
Em jogo repleto de emoções, Chapecoense vence e reassume a liderança da Série B
Em Salvador, Athletico fez primeiro treino visando o desafio contra o Flamengo
Next
Prev

Educação

Dia do Leitor: falta de acessibilidade é desafio para formar leitores

Publicado

Brasil perdeu 4,6 milhões de leitores entre 2015 e 2019

O

Brasil conta com 100,1 milhões de leitores, em um universo de mais de 200 milhões de habitantes, e esse grupo vem diminuindo com o passar do tempo. De acordo com a última edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, feita com dados de 2019, registrou-se uma diferença de 4,6 milhões de pessoas em relação a 2015.

Os resultados da pesquisa, elaborada pelo Instituto Pró Livro e o Itaú Cultural, lembram alguns dos entraves para se manter o hábito de leitura no país, que voltam à tona em datas como a comemorada hoje (7), Dia do Leitor. A celebração é uma homenagem à fundação do jornal cearense O Povo, criado em 7 de janeiro de 1928 pelo poeta e jornalista Demócrito Rocha.

Além do valor dos livros, que os tornam artigo de luxo para os mais pobres, e da correria do dia a dia, que acaba dificultando o hábito da leitura, ainda faltam recursos de acessibilidade. Tal lacuna também é percebida em um dos formatos mais queridos dos brasileiros: os gibis ou as histórias em quadrinhos. Juntos, eles representam uma parcela significativa de material de leitura com que o brasileiro tem contato todos os dias ou pelo menos uma vez por semana, conforme revela a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil.

A pesquisa mais recente do Instituto Pró-Livro e Itaú Cultural também mostrou que 2% dos entrevistados classificados como não leitores de livros informaram que a razão pela qual não leram nos últimos três meses foi porque têm problemas de saúde/visão. Entre os entrevistados qualificados como leitores, a pergunta não foi aplicada.

Pesquisa

Os obstáculos de se traduzir histórias em quadrinhos para pessoas com deficiência visual foi o enfoque dado pelo pesquisador Victor Caparica à sua tese de doutorado, desenvolvida na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). O trabalho venceu o Prêmio Unesp de Teses na categoria Sociedades Plurais.

Caparica perdeu, primeiro, a visão de um olho apenas, tornando-se o que se chama de monocular, até que, uma década depois, acabou ficando sem enxergar de modo absoluto. Ele integra a parcela de 3,6% da população brasileira que tem deficiência visual. Conforme menciona o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na Pesquisa Nacional de Saúde, 16% das pessoas com esse tipo de deficiência apresentam um grau muito severo, que os impede de realizar atividades habituais, como ir à escola, trabalhar e brincar.

Segundo Caparica, a audiodescrição não é algo semelhante à tradução, mas consiste, “categoricamente”, em traduzir. Isso significa que implica o mesmo grau de percalços e questionamentos de outros tipos de tradução, como a literária. O processo que se configura é “a transposição de um enunciado de uma perspectiva visual (que uma pessoa com deficiência  visual não pode avaliar) para uma perspectiva não-visual”.

“Não há nenhuma diferença qualitativa ou quantitativa observável entre a tradução de uma pessoa que traduz um poema de um idioma para outro e uma audiodescrição, são os mesmos desafios, a mesma atividade, são as mesmas competências que se espera do profissional”, diz.

“Inclusive, na área de letras, é relativamente conhecido o termo da tradução intersemiótica e eu uso bastante essa expressão na pesquisa, que é justamente quando você está traduzindo um enunciado de uma forma de construção de sentido, que a gente chama de semiose, de uma semiose pra outra. Então, é de uma forma de construir significados pra outra forma de construir significado.”

Em seu trabalho acadêmico, Caparica pontua que aproveitar a simples sucessão de quadros não seria o suficiente para uma narração, reflexão que fez a partir de sua dupla experiência, como leitor de histórias em quadrinhos visual e como consumidor do produto audiodescrito. E foi nesse sentido que desejou contribuir.

O pesquisador argumenta, ainda, que “a audiodescrição exige a cooperação entre um audiodescritor que enxerga e um consultor que não enxerga”. Por isso, para desenvolver sua tese, a companheira de Caparica, Letícia Mazzoncini Ferreira, formou-se como audiodescritora para colaborar com o projeto.

“Quem consome a audiodescrição não pode produzi-la, quem precisa, seu público-alvo. E quem a produz não é seu público-alvo. Isso cria uma lacuna, um abismo comunicacional que precisa ser suplantado. É necessário que se construa uma ponte por cima desse precipício que separa o público da produção”, diz.

“Eu ainda consigo cumprir, como profissional, uma série de papéis da audiodescrição, por uma coincidência de elementos da minha formação pessoal e profissional, acabei acumulando algumas competências múltiplas na área de audiodescrição. Além de ser consultor e produtor de conteúdo audiodescrito, sou também locutor profissional e também faço a parte de edição e mixagem de áudio. Então, três quartos do trabalho com a produção de audiodescrição eu, como público-alvo, consigo estar lá e fazer, mas esse um quarto que falta é o papel mais importante de todos, que é o de audiodescritor, que faz efetivamente a tradução”, emenda.

Audiodescrição pelo mundo

Caparica destaca, em sua tese, três localidades que considera avançadas, em termos de audiodescrição: os  Estados  Unidos, o  Reino  Unido e a Espanha. No território estadunidense, por exemplo, o rádio foi fundamental para a difusão desse tipo de técnica, que começou pelo teatro, com peças sendo transmitidas por diversas estações.

“Costumo dizer que a audiodescrição começou com o rádio. Aí, você vai dizer: radionovela. A radionovela não é o caso, porque já foi concebida para ser áudio, mas as locuções esportivas no rádio, não. O primeiro caso de audiodescrição profissional que você vai encontrar são os locutores futebolísticos, que faziam audiodescrição em tempo real do que estava acontecendo no estádio. Sem dúvida, o rádio teve, em muitos lugares, uma relação muito próxima com a audiodescrição e é ainda subutilizado nesse sentido. Se considerar a estrutura de pessoas que tem um radinho FM em casa e, mesmo quem não tem, quanto custa um hoje? Tem uma facilidade de estrutura e de se transmitir esse conteúdo de forma acessível e com tanta facilidade por essa mídia, acho que é muito subutilizada pelo que poderia ser, hoje, no século 21”, pontua Caparica.

Enquanto nos Estados Unidos há uma lei federal que fortalece a consolidação do recurso, no Brasil, avalia ele, “a prática é incipiente”.

O que falta, afirma, é a robustez e a estabilidade de políticas públicas. Caparica afirma que a audiodescrição no país ainda precisa ser aprimorada, embora não esteja “estagnada” e que a capacitação profissional deve, necessariamente, contemplar demandas específicas do idioma.

“Não existe, nunca existiu no Brasil uma política nacional para pessoa com deficiência. Política nacional não é projeto de governo, porque isso, esse partido faz e o próximo desfaz. Política nacional é como se teve, por exemplo, a de alfabetização no Brasil. Foi um projeto que foi abraçado e nenhum governo que veio depois achou que fazia sentido desfazer. “

Por isso, toda iniciativa é sempre individual, pontual, é sempre quem consegue fazer alguma coisa e, dentro dessas possibilidades, dessa limitação, o que o Brasil conseguiu fazer foi produzir audiodescrição no começo desse século só, colocando a gente com certo atraso na coisa. A gente demorou muito para regulamentar a profissão de audiodescritor. Um curso de audiodescritor ainda não tem nenhuma regulamentação, então é feito de maneira muito informal. Os melhores, inevitavelmente, vão replicar o modelo de cursos do exterior já consagrados”, finaliza.

Retrato da leitura e o gosto por quadrinhos

Para obter os dados apresentados no levantamento do Instituto Pró Livro e do Itaú Cultural, equipes percorreram 208 municípios, entre outubro de 2019 a janeiro de 2020. Ao todo, 8.076 pessoas foram consultadas, sendo divididas entre leitores, que são aqueles que leram um livro integral ou parcialmente nos últimos três meses, e não leitores, classificação que designa aqueles que declararam não ter lido nenhum livro nos últimos 3 meses, mesmo que tenha lido nos últimos 12 meses.

A simpatia pela Turma da Mônica fica evidente nas respostas. Os gibis foram uma das 37 obras mais citadas. Além disso, Maurício de Sousa, criador dos personagens do gibi, também figura entre os autores mais lembrados e adorados.

Também se observa que, entre estudantes, a proporção de gibis e histórias em quadrinhos é maior (16%) do que a registrada entre não estudantes (8%). A média nacional é de 8%.

Pode-se imaginar também que, ao estar na universidade, os jovens acabem abandonando os gibis e quadrinhos, mas acontece exatamente o oposto. Ao todo, 14% dos entrevistados com esse nível de escolaridade declararam que os leem, contra 13% das crianças que cursam o fundamental I (1º a 4º série ou 1º ao 5º ano), 12% dos que estão no ensino fundamental II (5º a 8º série ou 6º ao 9º ano) e 8% dos alunos do ensino médio.

Em relação à faixa etária, observa-se que os grupos que mais folheiam gibis e histórias em quadrinhos são pessoas com 5 a 10 anos de idade (22%) e de 11 a 13 anos (21%). As que manifestam menos interesse são idosos com 60 anos ou mais (1%), com 50 a 59 (7%) e 30 a 39 (8%).

 

Por Letycia Bond – Repórter da Agência Brasil 

Comentários Facebook

Educação

Estigma das doenças mentais no Brasil é tema da redação do Enem

Publicado

© Tânia Rêgo/Agência Brasil

O

 tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) desta edição é O Estigma Associado às Doenças Mentais na Sociedade Brasileira, conforme divulgou o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Os candidatos têm até as 19h para concluir as primeiras provas, aplicadas neste domingo (17).

A aplicação da versão impressa do Enem teve início hoje e a segunda prova será no próximo domingo. A prova de hoje começou a ser aplicada as 13h30 e os estudantes terão até as 19h para terminá-la.

Neste domingo, os participantes fazem as provas objetivas de linguagens e ciências humanas, com 45 questões cada, além da redação.

Correção

As redações do Enem são avaliadas em cinco competências, cada uma vale 200 pontos: demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa; compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa; selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação; e elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Cada prova passa por dois corretores. Caso haja uma diferença de mais de 100 pontos em relação à nota total da prova ou de mais de 80 pontos em relação a alguma das competências, o texto passa, então, por um terceiro corretor. Se a diferença persistir, a prova é avaliada por uma banca composta por três professores, que atribuirá a nota final do participante.

Confira os temas das redações de anos anteriores: 

Enem 2009: O indivíduo frente à ética nacional

Enem 2010: O trabalho na construção da dignidade humana

Enem 2011:  Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado

Enem 2012: O movimento imigratório para o Brasil no século XXI

Enem 2013:  Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil

Enem 2014: Publicidade infantil em questão no Brasil

Enem 2015: A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira

Enem 2016: Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil e Caminhos para combater o racismo no Brasil – Neste ano houve duas aplicações regulares do exame.

Enem 2017: Desafios para formação educacional de surdos no Brasil

Enem 2018: Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet

Enem 2019: Democratização do acesso ao cinema no Brasil

Enem

O Enem avalia o desempenho escolar ao final da educação básica. A estrutura do exame conta com uma redação e questões das quatro áreas de conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; e matemática e suas tecnologias. O Enem Digital 2020 será aplicado nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. No total, considerando as duas versões (impressa e digital), o Inep confirmou 5.783.357 inscrições para o Enem 2020.

Acompanhe a correção das provas pela TV Brasil, neste domingo, às 19h30.

Teste seus conhecimentos no QuestõesEnem, da Agência Brasil:

Por: Agência Brasil

Comentários Facebook
Continue lendo

Educação

IFMS abre matrículas para cursos técnicos integrados

Publicado

O

s convocados em primeira chamada para ingresso nos cursos técnicos integrados do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) no primeiro semestre letivo deste ano devem fazer a matrícula online a partir desta terça-feira, 12.

O acesso ao sistema de matrículas do IFMS fica disponível até o dia 20 de janeiro.

Para aqueles que nunca acessaram o sistema, o primeiro passo é clicar em “Ainda não tem login? Clique aqui para ativar seu acesso”. Serão solicitados o número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) do candidato aprovado, a data de nascimento e o e-mail cadastrado na Central de Seleção do IFMS.

Uma vez ativado o acesso, basta acessar o sistema novamente utilizando o CPF nos campos login e senha.

Ao acessar o sistema, o candidato é informado sobre o tipo, semestre, chamada, curso e campus para os quais está apto a solicitar matrícula. Caso alguma informação esteja incorreta, é preciso enviar um e-mail para [email protected]. Se todos os dados estiverem corretos basta clicar em “Solicitar Matrícula”.

O preenchimento do questionário socioeconômico é uma etapa obrigatória no processo de matrícula online. Para acessá-lo é preciso informar o CPF nos campos login e senha.

Em seguida, os dados pessoais do candidato são apresentados para que sejam atualizados e/ou corrigidos, se necessário.

Documentação – Os candidatos devem anexar ao sistema de matrículas os seguintes documentos digitalizados:

  • requerimento de matrícula preenchido e assinado, no qual deverá constar, obrigatoriamente, o número do CPF do candidato;
  • histórico escolar do ensino fundamental ou equivalente;
  • documento oficial de identificação com foto
  • documento que comprove estar em dia com o serviço militar (brasileiros entre 19 e 45 anos);
  • uma foto 3×4 recente;
  • documentos exigidos no anexo V do edital 054/2020, no caso de candidatos beneficiários de ação afirmativa (cotas) com renda menor ou igual a 1,5 salário mínimo per capita;
  • anexo VIII do edital 054/2020 e laudo médico, no caso candidatos beneficiários da ação afirmativa (cotas) para pessoas com deficiência;
  • termo de ciência para solicitação de matrícula online assinado pelo responsável legal, a Certidão de Nascimento do(a) menor, ou documento de guarda ou tutela, se for o caso, e o documento oficial com foto do responsável legal, no caso de o candidato convocado ser menor de 18 anos.

A cada documento anexado é preciso clicar em “Enviar Comprovante” e observar a confirmação de que o arquivo foi carregado. Depois de anexar todos os arquivos, basta “Salvar e Finalizar”. Ao final, um comprovante será exibido.

Toda a documentação deve ser enviada na forma de arquivo digitalizado, legível e de boa qualidade, com no máximo 5 megabytes cada, a partir dos documentos originais, sendo aceitas imagens nos formatos .png, .jpg ou .jpeg e textos nos formatos .pdf, .doc, .docx ou .odf.

Atendimento presencial – O candidato convocado que não tem acesso à internet pode solicitar a utilização de um computador do IFMS para fazer ele próprio sua solicitação de matrícula online.

O agendamento do dia e do horário para esse atendimento presencial deve ser feito por e-mail ou WhastApp encaminhado à Central de Relacionamento (Cerel) do campus onde a vaga foi ofertada. Os endereços, e-mails e contatos estão disponíveis no documento Informações para atendimento presencial com agendamento.

Em caso de dúvidas com relação aos procedimentos para solicitação de matrícula ou caso encontre algum erro no sistema, o candidato deve enviar e-mail para [email protected].

Seleção – Os candidatos foram classificados com base nas notas obtidas nas disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática, Ciências, História e Geografia no 8º ano do ensino fundamental.

Foram registradas 3.175 inscrições no processo seletivo. O curso mais concorrido foi Informática, oferecido em Campo Grande, com 12,2 candidatos por vaga no período matutino e 6,6 no vespertino, seguido do mesmo curso ofertado no período matutino em Corumbá, com 5,6 candidatos por vaga.

Alguns cursos tiveram o número de inscritos menor que o número de vagas ofertadas. Nesse caso, todos os candidatos com inscrição homologada foram convocados na primeira chamada para matrículas.

Novas chamadas – Após o período de matrículas da primeira chamada, caso ainda haja vagas a serem preenchidas, novas chamadas serão publicadas na Central de Seleção.

De acordo com o novo cronograma do processo seletivo, a divulgação da segunda chamada está prevista para 25 de janeiro, com matrículas no período de 27 de janeiro a 4 de fevereiro. A terceira e quarta chamadas, caso haja vagas disponíveis, serão publicadas no dias 9 e 26 de fevereiro, respectivamente.

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

BRASILÂNDIA

POLICIAL

Mais Lidas da Semana