Três Lagoas-MS

  Últimas
Polícia Militar Ambiental de Rochedo autua três por pesca ilegal no rio Aquidauana e apreende petrechos ilegais de pesca
BOLETIM COVID-19 – Três Lagoas tem 31 novos casos positivos e número de ativos chega a 162 nesta terça-feira (14)
Centro de Treinamento Time Brasil volta a receber atletas no dia 20
Técnico do time feminino do Santos vence câncer e já mira título
Coxim ativa cinco leitos de UTI e região norte de MS está preparada para enfrentar Covid-19
Coluna – Há um ano Jesus estreava no Maracanã pelo Flamengo
Polícia Militar Ambiental de Três Lagoas autua mulher de 39 anos por incendiar resíduos de limpeza, perturbando sua vizinhança pela fumaça
Programa Defensoria Explica destaca doação de protetores faciais
Segurança pública ganha reforço de mais de 100 novas viaturas em MS
Vôlei: mercado segue agitado antes do início da temporada 2020/2021
Polícia Militar em Nioaque prende dois homens por Descumprir Medidas Sanitárias Preventivas e Desobediência
Polícia Militar cumpre Mandado de Prisão durante atendimento de ocorrência em Bela Vista
Polícia Militar Ambiental de Cassilândia autua infrator em R$ 10 mil por degradação de nascentes para plantio de pastagem e manter gado na área protegida
Domingo tem Autocine com exibição do filme “O menino da porteira”
Além de Kit Alimentação,  Prefeitura de Três Lagoas entrega Kit Hortifrúti para mais de 11 mil alunos da Rede Municipal de Ensino (REME)
Redução da punição ao Manchester City gera polêmica na Inglaterra
Ponto de Vista discute projeto de lei que combate fake news
Empresas credenciadas ampliarão atendimento e facilitará acesso aos serviços de vistoria em MS
30 anos dedicados em servir e proteger no MS
Além de Kit Alimentação,  Prefeitura de Três Lagoas entrega de Kit Hortifrúti para mais de 11 mil alunos da Rede Municipal de Ensino (REME)
Unidades de Saúde serão pontos de descarte de medicamentos vencidos em Três Lagoas
Segurança em Pauta entrevista o secretário de Justiça de MS, Antonio Carlos Videira
Saúde divulga novo mapa hospitalar de leitos para coronavírus
Suinocultura de MS cresce acima da média nacional com biossegurança e sustentabilidade
Polícia Militar Ambiental de Mundo Novo autua arrendatário em R$ 10 mil para derrubada de 150 árvores em 33,70 hectares para plantio de lavoura
PGE em Ação exibe entrevista sobre atuação das procuradorias estaduais em época de pandemia
Vereadores de Três Lagoas aprovam LDO e redução do valor de multa por desrespeito a prevenção à Covid
SES realiza 7,3 mil testes de coronavírus por semana em MS, o que representa 43 exames a cada hora
Comando da PMA define estratégias para controle de incêndios no Pantanal
Polícia Militar de Sonora prende jovem por direção perigosa e desobediência
Next
Prev

Esportes

Primeira liga a voltar nas Américas pode ter campeão nesta segunda

Publicado


.

Seis anos após ser a sensação da Copa do Mundo no Brasil, chegando às quartas de final e deixando pelo caminho seleções como Uruguai, Inglaterra e Itália, a Costa Rica volta a ser protagonista no futebol mundial. Nesta segunda-feira (29), às 23h30 (horário de Brasília), Deportivo Saprissa e Liga Deportiva Alajuelense fazem o segundo jogo da final dos playoffs da Liga Promerica, como é chamada a primeira divisão local. Se der Saprissa, o time fica com o título por ter melhor campanha. Caso o rival leve a melhor, força a realização de uma nova decisão, em duas partidas.

Trata-se do primeiro campeonato das Américas a ser retomado após a paralisação causada pelo novo coronavírus covid-19 – a bola não parou na vizinha Nicarágua mesmo em meio à pandemia. Com quase cinco milhões de habitantes, a Costa Rica foi uma das nações menos impactadas pelo vírus, com 3.130 casos confirmados e 15 óbitos registrados até domingo (28), conforme a universidade norte-americana Johns Hopkins. A taxa de letalidade (mortos entre pacientes infectados) no país não chega, atualmente, a 0,5%. É inferior, por exemplo, à da Nova Zelândia (1,8%), com população semelhante e que, até meados de junho, ficou quase um mês sem casos. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, essa taxa está em 4,2%.

“A Costa Rica sempre teve um sistema de saúde pública muito forte, gratuito e para todos os cidadãos”, conta o jornalista Eduardo Castillo, da Rádio Teletica, à Agência Brasil, em referência ao CCSS (Caja Costarricense de Seguro Social, ou simplesmente Caja), criado em 1941. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o país tem o quinto maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e a mais alta expectativa de vida da América Latina.

O estado de emergência foi decretado no país em 16 de março, 10 dias após o primeiro caso ser registrado – uma turista norte-americana de 49 anos. “Foram tomadas medidas como o fechamento de locais comerciais e estabelecimentos de entretenimento, como cinemas e bares, além das restrições veiculares. A partir da sete da noite, não podia mais andar de carro e [quem desobedecesse] era passível de multa. As empresas também adotaram medidas, com o ajuste de horários e trabalho de casa. Os cidadãos se apegaram às medidas e não foram rebeldes”, relata o jornalista.

A suspensão do campeonato foi adotada pelo Conselho Diretor da União de Clubes de Futebol da Primeira Divisão (Unafut), que administra o torneio, um dia após o decreto do governo. Na semana seguinte, a associação dos jogadores, a Federação Costarriquenha (Fedefutbol, sigla em espanhol) e a Unafut entraram em acordo quanto à redução salarial na paralisação. “Felizmente, os canais de TV e alguns patrocinadores mantiveram o investimento e os clubes conseguiram seguir durante esse tempo”, diz a secretária-geral da Fedefutbol, Margarita Echeverría, à Agência Brasil.

O retorno

A conversa entre entidades e governo para retomar o futebol iniciou entre o fim de abril e o início de maio. “Naquele momento, tínhamos cerca de 700 casos, metade deles recuperados, e um, dois casos novos por dia – no máximo 10. Então, entendeu-se que dava para regressar”, explica Castillo. No Brasil, atualmente, somente o Campeonato Carioca recomeçou. Hoje, o Rio de Janeiro é um dos estados com maior taxa de mortalidade pelo novo coronavírus (56,7 a cada 100 mil habitantes), mais que o dobro da média nacional (27,2).

O anúncio de que o campeonato costarriquenho seria retomado foi feito em 11 de maio. Na ocasião, Fedefut e Unafut divulgaram um protocolo, revisado e aprovado pelo governo, com diretrizes para a volta de treinos e jogos. “É um protocolo muito rígido, realizado com participação dos médicos dos clubes da primeira divisão e também adotado pela segunda divisão. Por exemplo, foram enumerados fiscais para confirmar se ele está sendo cumprido nos estádios. Há determinações sobre a entrada das equipes no estádio e a presença limitada de funcionários”, descreve Echeverría.

A bola voltou a rolar em 20 de maio com portões fechados, como já fora na rodada que antecedeu a paralisação. Além da ausência de torcida, o protocolo orienta quanto à utilização constante de máscaras (inclusive no caminho ao estádio), exceto, claro no campo de jogo; distanciamento de dois metros entre os atletas no vestiário e restrição de acesso a jogadores não relacionados, entre outros. Controle de temperatura na chegada, com proibição de entrada a quem estiver acima dos 37,5 graus, e lavar as mãos com água e sabão e álcool em gel também estão entre as determinações.

Houve, também, necessidade de restrição aos meios de comunicação. “Só se permite acesso às emissoras com direitos de transmissão, em número limitado de cinegrafistas, assistente e engenheiro de som. Às rádios, apenas um jornalista e um técnico. Já a imprensa escrita não pode ir ao estádio, mas, participa das entrevistas enviando perguntas aos assessores”, conta Castillo.

Quebrar as regras definidas no protocolo não tem sido tolerado. No fim de maio, após uma partida contra o UCR, o Limón foi punido com a perda do mando de campo por ter violado itens como ausência de álcool em gel, pia e toalhas para os árbitros, presença de pessoas não autorizadas e sem máscara no estádio, cumprimento só parcial do distanciamento social e alguns jogadores não terem lavado as mãos antes da etapa final.

Sob cautela

A rigidez se explica. Desde o início de junho, a Costa Rica viu a curva de casos da covid-19 subir. Na última quinta-feira (25), foram 169 novos infectados, maior número em 24 horas no país desde que a pandemia chegou. Antes do começo deste mês, o recorde era de 37 casos em um dia, em 9 de abril. “Vivemos, agora, uma nova onda, mais forte”, resume Castillo, da Rádio Teletica.

O recente avanço do novo coronavírus levou o governo costarriquenho a, inicialmente, suspender os dois jogos da final entre Saprissa e Alajuelense, antes marcados para 21 e 24 de junho – domingo e quarta-feira da semana passada, respectivamente. Liga, federação e poder público entraram em acordo e as partidas foram reagendadas. A de ida ocorreu justamente no último dia 24, com vitória do time da cidade de Alajuela por 2 a 0.

Há, no entanto, preocupação de que se repitam cenas como as da torcida do Liverpool, que ignorou as orientações sobre distanciamento e tomou as ruas para celebrar o título do Campeonato Inglês, o primeiro após 30 anos. “Temos o apoio do governo e feito uma grande campanha para que os torcedores do time campeão não saiam para comemorar. Na última terça-feira (23), na final da divisão de acesso, isso foi respeitado”, conclui Etcheverría, da Fedefutbol.

Edição: Liliane Farias

Comentários Facebook

Esportes

Centro de Treinamento Time Brasil volta a receber atletas no dia 20

Publicado

por


.

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) confirmou nesta terça (14) que o Centro de Treinamento Time Brasil será reaberto na próxima segunda (20). Nessa primeira fase de retomada das atividades, apenas 40 pessoas poderão utilizar as instalações do CT, localizado no Parque Olímpico da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Todos deverão respeitar os rígidos protocolos do Guia para a prática de esportes olímpicos no cenário da covid-19, lançado em junho pelo COB.

Esse primeiro grupo será formado por atletas residentes na capital carioca, que já tenham garantido a vaga para os Jogos Olímpicos de Tóquio ou estão próximos da classificação olímpica e que não integrem a Missão Europa, que a partir da próxima sexta (17) levará um grupo de atletas e oficiais para um período de treinamento em Portugal. O acesso ao CT também será permitido aos treinadores e a equipes multidisciplinares. Pessoal administrativo e de manutenção do COB poderão também entrar no local sem estarem incluídas no total de 40 pessoas.

Nessa semana, todas os autorizados a retornar ao CT passarão por exames de sorologia e RT-PCR, considerado padrão ouro na resposta à covid-19. Em caso de diagnóstico positivo, elas não poderão frequentar a área e ficarão em quarentena. Também estão sendo intensificadas a montagem de equipamentos, sinalizações e simulações de fluxo do CT Time Brasil. Permissões para outros grupos ingressarem nas instalações serão concedidas gradualmente, respeitando as cinco fases estabelecidas pelo protocolo do COB.

“Estamos felizes com a volta dos atletas ao nosso CT e esperamos que em breve ele possa estar funcionando em plena capacidade, sempre dentro dos protocolos. As nossas prioridades são a segurança, saúde e integridade física de todos os envolvidos com a prática esportiva de alto rendimento no país”, afirmou o diretor de Esportes do COB, Jorge Bichara.

Inicialmente serão reabertas a piscina olímpica e a de saltos do Parque Aquático Maria Lenk, a sala de força e condicionamento e o Laboratório Olímpico. O CT de Ginástica Artística seguirá fechado, já que a higienização dos equipamentos levará mais tempo. Enquanto isso, os atletas da seleção brasileira da modalidade treinarão em Sangalhos (Portugal), integrando a Missão Europa.

“As nossas atenções são voltadas para que consigamos retomar nossas atividades com segurança, dosando a carga de treinos e evitando riscos de lesões. Mais do que nunca um planejamento adequado e um monitoramento permanente serão fundamentais para passarmos por um dos momentos mais difíceis de nossa história”, declarou Jorge Bichara. O CT Time Brasil está fechado desde 18 de março.

Edição: Fábio Lisboa

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Técnico do time feminino do Santos vence câncer e já mira título

Publicado

por


.

Os últimos meses foram difíceis para Guilherme Giudice, mas não por causa do novo coronavírus (covid-19). Pouco antes de a pandemia chegar ao Brasil, o técnico do time feminino do Santos foi diagnosticado com um câncer no pescoço e no retroperitônio (espaço anatômico atrás da cavidade abdominal). Foram quatro ciclos de quimioterapia até a esperada notícia da recuperação.

“A primeira quimioterapia foi no dia da partida com o Cruzeiro [17 de fevereiro, pela terceira rodada do Brasileiro Feminino]. Saí da sessão e fui direto para o jogo, na Vila Belmiro. Uma coisa que ajudou muito, desde o começo, foi continuar trabalhando. Isso me ajudou a levar bem o tratamento, porque eu estava sempre ocupado”, conta o técnico à Agência Brasil.

Para dar conta, Guilherme precisou adaptar rotina e vestimentas no dia a dia. “Eu sabia dos riscos. Quando inicia o procedimento, a imunidade cai muito e você fica suscetível a qualquer tipo de doença. Qualquer resfriado passa a ser preocupante. Só mesmo nos dias de sessão é que eu não ia aos treinos. Nos demais, estava lá, tomando todos os cuidados, protegendo toda a pele, usando roupas compridas, evitando muito contato”, descreve.

Guilherme Giudice, técnico santos futebol feminino Guilherme Giudice, técnico santos futebol feminino

Guilherme adotou medidas de proteção durante treinos – Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC/Direitos reservados

A pandemia interrompeu o campeonato e os treinos presenciais em Santos (SP). Com isso, Guilherme transferiu o tratamento para São José dos Campos (SP), cidade em que mora e permanece desde o início da quarentena. O isolamento do técnico começou na própria residência. “Fizemos como se fosse um bunker. Fiquei com um espaço só para mim, onde eu dormia e mantinha minha rotina, principalmente para evitar contato com outras pessoas da casa”, recorda.

Os ciclos de quimioterapia foram concluídos no início de junho. Os exames indicaram que, dos tumores, havia sobrado apenas o do pescoço, já em tamanho reduzido, devido ao tratamento. Em 13 de junho, Guilherme fez uma cirurgia para extração do nódulo. “Foi feita a biópsia e, graças a Deus, ele era benigno. Então, com a retirada dele, não ficou mais nada”, comemora.

Carinho

A luta do treinador não foi solitária. Além da família, a parceria com o elenco santista foi importante. “O carinho que recebi delas e do clube foi demais. Imagino que para elas também não foi fácil, sempre me vendo sair para fazer exames, aí um dia aparecendo de cabelo raspado, antes de passar a informação [do diagnóstico]”, recorda.

O ápice foi na semana posterior à vitória por 2 a 0 sobre o Grêmio, fora de casa. Por conta do tratamento, Guilherme foi poupado da viagem para Novo Hamburgo (RS) e o time foi comandado pela auxiliar Sandra dos Santos. Em um dos treinos, as jogadoras se deitaram no gramado e formaram as letras G, U e I, em homenagem ao técnico. “Eu me emocionei muito, porque foi uma semana em que eu tive uma queda de imunidade grande, precisei ficar internado alguns dias”, lembra.

O anúncio da recuperação foi dado pelo perfil oficial das Sereias da Vila no Instagram. A partir daí, as redes do treinador foram tomadas por mensagens de santistas e até de adversários nos gramados. “Recebi recados do Arthur [Elias, técnico do Corinthians], do Lucas [Piccinato, do São Paulo], do Ricardo [Belli, do Palmeiras] e da Tatiele [Silveira, da Ferroviária]. De atletas que trabalharam na seleção feminina comigo [ele foi auxiliar de Emily Lima] e no Santos, e até de jogadoras com quem nunca trabalhei, mas enfrentei em algum momento. Foi bacana o reconhecimento”, relata.

Segundo ele, os exames médicos indicam que o sistema imunológico, afetado durante o tratamento, está restabelecido. “Agora, é tomar os cuidados que todos temos que ter [devido à pandemia]. Claro, mais atento ainda, por tudo o que passei. E aguardar a definição dos protocolos para reiniciarmos os treinos com toda a segurança”, conclui.

Retorno

O Santos será um dos primeiros times a jogar no retorno do Brasileiro Feminino. A previsão dada pelo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, em entrevista ao jornal O Globo, é que o campeonato da Série A1 (primeira divisão) recomeçará em 26 de agosto. O torneio foi interrompido com três partidas a serem realizadas pela quinta rodada. Uma delas é o duelo entre as Sereias da Vila e o Audax, inicialmente marcado para o litoral paulista.

O Alvinegro Praiano venceu os quatro jogos que realizou (contra Flamengo, Iranduba, Cruzeiro e Grêmio) e está em segundo lugar, com os mesmos 12 pontos da líder Ferroviária, superado no saldo de gols. Ainda não há previsão de quando o elenco retornará aos treinos. Enquanto isso, a preparação é realizada virtualmente.

“A gente imagina que será um campeonato novo. Assistimos a praticamente todos os jogos, mas acreditamos que as equipes voltarão diferentes. A ideia é brigar pelo título. Tivemos um bom início e a ideia é voltarmos no ritmo que paramos. Quero o título para dedicar ao clube e à torcida, que me deram tanto carinho e força nesse tempo”, diz o treinador, que está na quarta temporada no futebol feminino, após quase 10 anos atuando nas categorias de base do time masculino do São José, que atualmente disputa a quarta divisão do Campeonato Paulista.

Guilherme assumiu o time principal das Sereias da Vila em setembro do ano passado, na reta final do Estadual Feminino, após a eliminação para a Ferroviária nas quartas de final do Brasileiro. Ele era o auxiliar de Emily Lima, que estava no clube desde o início de 2018. Foram seis jogos de lá para cá, três pelo Paulista e três pelo Nacional, com quatro vitórias, um empate e uma derrota.

Edição: Fábio Lisboa

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

BRASILÂNDIA

POLICIAL

Mais Lidas da Semana