Três Lagoas-MS

  Últimas
Polícia Militar autor de perturbação da tranquilidade e apreende aparelhagem de som em Alcinópolis
Polícia Militar Ambiental e Ibama realizam orientação a empresas e pousadas de turismo sobre alimentação em cevas para atrair onça-pintada
Clássico Comerário reabre o Campeonato Sul-Mato-Grossense de Futebol 2020 após oito meses
Mais de três mil folders educativos foram distribuídos na ação de mobilização contra o Aedes aegypti no Centro de Três Lagoas
Felipe Santana agradece Chapecoense pela oportunidade de poder jogar
Entre aves e mamíferos, mais de 100 animais retornam à natureza após reabilitação no Cras
Contran divulga novo calendário para CNH
Agepan e Sanesul ajustam procedimentos de Ouvidoria para melhorar atendimento
Governo apoia projeto de geração de renda com cerâmicas Kadiwéu
Polícia Militar cumpre mandado de prisão em Miranda
Suzano patrocina maior evento literário da América Latina
Ponte Preta encerra treinos para confronto com CSA
VÍDEO: PMA captura tamanduá-bandeira no bairro Monte Castelo em Campo Grande
Ex-Comandante do 2º Pelotão de Polícia Militar de Miranda recebe o título de cidadão Mirandense
Governo publica georreferenciamento do Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro
MS fecha outubro com mais de 4 mil novos empregos formais; Comércio é destaque
Técnico Cuca retorna a sua função no Santos após Covid-19
Athletico encerrara preparação para enfrentar o Palmeiras
Policiais Militares da 11ª CIPM/RU-Segredo apreendem cinco armas, mais de 40kg de drogas e três foragidos da justiça nos últimos cinco dias
Neighbor Hero, game para combater o Aedes Aegypti, é lançado na ALEMS
Rony participa de todos os gols contra Delfín na Libertadores
Polícia Militar em Caracol cumpre Mandado de Prisão durante atendimento de ocorrência
Polícia Militar em Bela Vista prende homem por Dirigir Veículo Automotor Sob a Influência de Álcool
Polícia Militar Ambiental de Campo Grande captura tamanduá-bandeira em terreno no bairro Monte Castelo
Mais de 2 mil homens reforçam a segurança no Estado durante as festas de fim de ano
Taxa de contágio volta a subir no MS, e chega a 0,99
Serra com curva perigosa na MS-306 em Costa Rica recebe redutores de velocidade
Flamengo inicia preparação para o jogo da volta contra o Racing
Nota de Pesar
Policiais Militares em ação conjunta com fiscal da Receita Federal realizam apreensão de drogas em Corumbá
Next
Prev

Mato Grosso do Sul

Patrimônio cultural quilombola de MS é destaque de pesquisa da UEMS

Publicado


A pesquisa intitulada “Inventário do Patrimônio Cultural Imaterial das Comunidades Quilombolas de Mato Grosso do Sul” foi institucionalizada no âmbito da UEMS, em 2019, e enfatiza sobretudo os festejos de comunidades quilombolas sul mato grossenses.  A professora da UEMS, dos cursos de História e do PofHistória, Manuela Areias, pesquisa sobre o patrimônio cultural imaterial das comunidades quilombolas do estado de MS e trabalhou, até o momento, com três tradições: Festa dos Santos Reis, Festa de São Pedro e o saber expresso na produção de farinha de mandioca.

O projeto trabalhou com a Festa dos Santos Reis, realizada há mais de cem anos por membros da família Modesto, moradores do quilombo Águas de Miranda (Bonito), a Festa de São Pedro, do quilombo Família Cardoso (Nioaque), e o saber expresso na produção da farinha de mandioca, da comunidade quilombola Furnas dos Baianos (Aquidauana).

Manuela Areias destaca que o reconhecimento e a salvaguarda do patrimônio cultural quilombola são essenciais para a continuidade de sua reprodução cultural, fortalecendo a identidade do grupo e o sentimento de pertencimento de seus moradores. “As expressões culturais protagonizadas por quilombolas revelam uma memória da diáspora africana que deve ser valorizada, lembrada e divulgada. São instrumentos de resistência e representam a luta das comunidades quilombolas para garantir seus direitos e a continuidade de suas manifestações culturais em terras sul mato-grossenses”. 

Atualmente, o estado de Mato Grosso do Sul reúne um contingente de 18 comunidades remanescentes de quilombos reconhecidas pela FCP (Fundação Cultural Palmares) e que estão com processos abertos no INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) – órgão responsável pelo reconhecimento, identificação, delimitação e titulação dos territórios quilombolas – nos quais se reivindica a regularização fundiária de seus territórios tradicionais.

A pesquisadora ressalta que os quilombos não pertencem somente ao passado escravista. Tampouco se configuram como comunidades isoladas, no tempo e no espaço, sem qualquer participação em nossa estrutura social. “Ao contrário, são quase quatro mil comunidades quilombolas espalhadas pelo território brasileiro, que se mantêm vivas e atuantes, lutando pelo direito de propriedade de suas terras, garantido pela Constituição Federal desde 1988, entre outras políticas públicas”, enfatiza.  

Em relação ao patrimônio cultural, para Manuela Areias, as festas de santo realizadas nas comunidades quilombolas do estado de Mato Grosso do Sul estabelecem uma relação intrínseca entre religiosidade, fé e memória da diáspora africana. “Muitas festas de santo, entre outras práticas culturais, estão relacionadas à religiosidade dos africanos da diáspora, que permaneceram no sul de Mato Grosso”, explicou.

A pesquisadora destaca que essas tradições representam a luta de comunidades negras para garantir a continuidade de seus traços culturais em terras sul-mato-grossenses. “A valorização e salvaguarda dessas celebrações, dos elementos necessários para suas realizações (como indumentárias, rezas, alimentos, instrumentos musicais, entre outros) e dos saberes expressos na produção da farinha de mandioca são essenciais para a continuidade e suas reproduções culturais nas comunidades, fortalecendo as identidades dos grupos e os sentimentos de pertencimento de seus moradores”, disse.  

O projeto conta com o apoio e parceria do IPHAN-MS e com a participação do bolsista de iniciação científica Yan Prado Almeida, do curso de História da UEMS em Amambai.

Festa dos Santos Reis

Localizada a 70 quilômetros do município de Bonito, a Comunidade Quilombola Ribeirinha Águas de Miranda, do distrito Águas de Miranda, certificada pela Fundação Cultural Palmares em 2012, realiza anualmente, há mais de 30 anos, a Folia de Reis ou Festa dos Santos Reis. A festa, que reúne cerca de 1.000 pessoas, no primeiro ou segundo final de semana de janeiro, faz parte do calendário de festejos do município desde 2012.

Inicialmente foi organizada apenas pela família Modesto, vinda da Bahia para o antigo Mato Grosso, e que mantinha a tradição há cerca de 100 anos, de pai para filho. A família Modesto continua presente na continuidade da folia, que tem como “Mestre da Bandeira” seu patriarca, Amarílio Modesto da Silva.

Durante a programação da festa ocorrem diversas atividades, como celebrações religiosas – com procissão e missa – shows, churrasco e torneio de futebol. Canções tradicionais e instrumentos musicais acompanham os grupos formados pelos três reis magos (representações), palhaços (bastiões) – com máscaras e apitos, que marcam a chegada e a partida da bandeira – rainha, coro, mestre (ou embaixador) e bandeireiro ou alferes da bandeira.

Festa de São Pedro

Na Comunidade Quilombola Família Cardoso, o culto e a festa de São Pedro, realizados anualmente no mês de junho, foram transmitidos com o passar dos anos para todas as gerações dos quilombolas do Largo da Baía. Durante esta festa tradicional, aberta aos moradores de Nioaque e de outras cidades, a comunidade ressalta a cultura da diáspora africana por meio de danças no ritmo das batidas dos tambores e roupas típicas, conhecidas como “amarração”.

Todos os anos, moradores das comunidades rurais e do núcleo urbano de Nioaque comparecem para prestigiar o trabalho da família Cardoso, cujos seus membros ocupam posições de festeiros. A festa de São Pedro é fundamental para afirmação da identidade quilombola, e atualmente motiva a reunião das famílias da comunidade. É uma manifestação cultural de resistência quilombola na luta pelos seus direitos.

Produção artesanal da farinha de mandioca

Sobre a relação de trocas culturais e transmissão de saberes expressos no cotidiano das comunidades tradicionais, além das festas santo e dos elementos necessários para suas realizações (como indumentárias, rezas, alimentos, instrumentos musicais, entre outros), destacam-se os saberes relacionados à produção artesanal da farinha de mandioca da Comunidade Quilombola Furnas dos Baianos. Neste quilombo, que se localiza no distrito de Piraputanga, do município de Aquidauana, seus moradores mantém a tradição cultural da produção da farinha de mandioca há mais de setenta anos.

Os relatos dos moradores evidenciam que a história dessa comunidade se relaciona ao cultivo da mandioca e à produção artesanal da farinha. No início da década de 1950, algumas famílias de ascendência africana, vindas da Bahia, fugindo da seca no Nordeste, chegaram ao distrito de Piraputanga, estabelecendo-se na região por meio do cultivo de roças para subsistência e comercialização de produtos. Desde então, iniciou-se um processo de transmissão de saberes na produção de alguns alimentos, como a farinha de mandioca.

A farinha, produzida artesanalmente, era enviada a Corumbá, importante zona portuária da época, pela estrada de ferro (o “Trem do Pantanal”), sendo escoada para outras cidades. Cabe ressaltar que a Comunidade Furnas dos Baianos foi reconhecida como quilombola pela Fundação Cultural Palmares em 2007, integrando a rede das 18 comunidades remanescentes de quilombos que fazem parte do estado de Mato Grosso do Sul.

“O saber expresso na produção da farinha de mandioca é um bem cultural relacionado ao Patrimônio Cultural Imaterial do Quilombo Furnas dos Baianos. O patrimônio imaterial pode ser caracterizado como um conjunto de práticas da vida social que se manifestam em saberes, ofícios e modos de fazer, celebrações, formas de expressão e nos lugares, que as comunidades reconhecem como parte integrante de sua cultura, sendo transmitido de geração para geração” ressaltou a pesquisadora Manuela Areias.

Assessoria UEMS

Fonte: Governo MS

Comentários Facebook

Mato Grosso do Sul

Clássico Comerário reabre o Campeonato Sul-Mato-Grossense de Futebol 2020 após oito meses

Publicado

por


O Campeonato Sul-Mato-Grossense de Futebol Profissional Série A 2020 está de volta após mais de oito meses de paralisação em virtude da pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19). Já na reabertura, a competição terá o clássico “Comerário”, válido pelas quartas de final, neste sábado (28), às 16 horas, no Estádio Universitário Pedro Pedrossian (Morenão), em Campo Grande. O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio da Fundação de Desporto e Lazer (Fundesporte), é o principal fomentador do campeonato.

O mais tradicional clássico do Estado, entre Esporte Clube Comercial e Operário Futebol Clube, não ocorre na fase eliminatória do Campeonato Estadual, o tradicional “mata-mata”, há 19 anos. As equipes campo-grandenses duelaram em 2001 na semifinal do certame e o Colorado se sobressaiu, ao vencer por 1 a 0 e 3 a 1 nos jogos de ida e volta, respectivamente. Na decisão, levantou o troféu de campeão ao bater o Cassilandense (hoje, extinto). Na ida, o placar foi de 1 a 1 na ida e na volta 4 a 1, ao lado de sua torcida no Morenão.

Na primeira fase do Estadual deste ano, o Comercial venceu o rival alvinegro por 2 a 0, no dia 22 de fevereiro, jogo válido pela sexta rodada. A equipe colorada terminou a etapa inicial da competição na quinta colocação, com 16 pontos (5 vitórias, 1 empate e 3 derrotas). Já o Galo ficou uma posição acima, com 17 de pontuação na tabela (5 vitórias, 2 empates e 2 derrotas). O segundo duelo válido pelas quartas de final está marcado para quarta-feira (2.12), às 20h30, também no Morenão.

Quem passar encara o Aquidauanense na semifinal, que teve a melhor campanha da primeira fase, terminando na liderança, com 18 pontos. O time de Aquidauana não precisará entrar em campo pelas quartas de final, já que seu adversário, o Corumbaense, protocolou junto à Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS) pedido de desistência do certame, na última segunda-feira (23.11). O mesmo ocorreu com o Maracaju Atlético Clube.

A outra partida das quartas será o “Clássico do Bolsão”, entre Costa Rica Esporte Clube e Sociedade Esportiva Recreativa Chapadão (Serc). O primeiro confronto será no domingo (29.11), às 16 horas, no Estádio Municipal Iliê Vidal, o Ninho da Águia, em Rio Brilhante. O jogo de volta será na quinta-feira (3.12), às 15 horas, no Estádio Municipal Ijair Tomquelsqui, em Chapadão do Sul.

O Costa Rica finalizou a fase inicial do Estadual sexta posição, somando 11 pontos (3 vitórias, 2 empates e 4 derrotas). Já o seu adversário, a Serc, fechou a disputa em terceiro, com 17 pontos (5 vitórias, 2 empates e 2 derrotas). As agremiações enfrentaram-se pela primeira fase na sexta rodada, no dia 22 de fevereiro, com triunfo da equipe sul-chapadense por 2 a 0. Devido à solicitação de desistência do Maracaju, o vencedor deste confronto das quartas de final terá pela frente o Esporte Clube Águia Negra na próxima fase.

O Campeonato Sul-Mato-Grossense foi interrompido oficialmente em 18 de março, atendendo às orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e demais órgãos sanitários no combate à transmissão do coronavírus (Covid-19), em situação de pandemia. Para o retorno, serão adotados protocolos rígidos de biossegurança entre os jogadores, membros da comissão técnica e demais funcionários nos estádios. Não será permitida a entrada de público.

Conforme tabela divulgada pela FFMS, a semifinal será disputada nos dias 6 e 9 de dezembro (turno/ida) e 13 ou 14 de dezembro (returno/volta). A final também será em dois jogos: 16 de dezembro (turno/ida) e 20 de dezembro (returno/volta).

Lucas Castro, Fundesporte

Foto: Franz Mendes

Fonte: Governo MS

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso do Sul

Entre aves e mamíferos, mais de 100 animais retornam à natureza após reabilitação no Cras

Publicado

por


Mais de 100 animais – a maioria aves – retornaram ao seu habitat na quinta-feira (26), após terem passado por um período de reabilitação no Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), órgão ligado ao Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). O bando dos periquitos do encontro amarelo e das jandaias era o mais numeroso e barulhento, somava 77 aves ao todo. Mas teve também corujas, gaviões, socó, curicaca e ainda mamíferos como cotia, lobinho e gambá.

Cotia está entre os animais soltos

Todos passam a viver, agora, nas matas de uma fazenda cadastrada pelo Imasul para receber animais reabilitados, localizada no município de Miranda. As aves ficam momentaneamente em um viveiro dentro da mata para reaprender os hábitos da vida em liberdade, mas em seguida serão soltas.

“Esses animais chegaram no CRAS de várias formas. Alguns eram filhotes, vítima dos traficantes; entregues voluntariamente por moradores de Campo Grande e diversas cidades do interior. Uns jovens ainda, outros adultos”, conta o médico veterinário Diogo Borges, que acompanhou a soltura com a ajuda do biólogo Allysson Favero, ambos do Imasul.

A coordenadora do Cras, Aline Duarte, explica que a soltura de animais reabilitados é uma rotina. “Acontece quase toda semana. Pelo menos uma vez ao mês fazemos solturas em maior quantidade e em regiões mais distantes”. Dependendo do animal, alguns são levados ao Pantanal ou para a região de Bonito, esses são os principais destinos. Porém o CRAS tem propriedades cadastradas para receber animais reabilitados em todas as regiões do Estado.

Gavião voa livre após período de recuperação

João Prestes, Semagro

Fotos: Diogo Borges/Imasul

 

Fonte: Governo MS

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

BRASILÂNDIA

POLICIAL

Mais Lidas da Semana