TRÊS LAGOAS-MS
  Últimas
Com lotes a partir de R$ 200, SAD fará leilão de 38 lotes de veículos e sucatas de veículos em julho
Canoístas de MS disputam Campeonato Brasileiro de Descida Sprint e buscam vaga ao Mundial
UEMS está com inscrições abertas para bolsas de iniciação científica no valor de R$ 400
Às vésperas do inverno, Mato Grosso do Sul registra grande contraste nas temperaturas 
Servidores Estaduais têm descontos exclusivos nos serviços oferecidos pelo SESC MS
Sejusp descarta fuga de assassino de Goiás para MS, mas mantém alerta
Policiais Militares da 11ª CIPM prendem criminoso com mandado de prisão em aberto por homicídio qualificado
Polícia Militar recupera veículo furtado em Três Lagoas.
Polícia Militar prende autor de Tráfico de Drogas em Três Lagoas.
PRF apreende 469,9 Kg de maconha em Ivinhema (MS)
Com Patrick de Paula e Danilo Barbosa, Verdão treina transições visando América-MG
PRF apreende 176 Kg de maconha e 85 Kg de skunk na BR-060
Três Lagoas registra 112 novos casos Covid-19 e confirma 03 óbitos nesta sexta-feira (18)
Pessoas com mais de 48 anos serão vacinadas contra Covid-19 neste sábado; gestantes e puérperas, agenda abre na segunda (21). SMS lança pré-cadastro para adolescente de 12 a 17 anos com comorbidades
Polícia Militar Ambiental de Bela Vista captura tucano em residência e o reintroduz na natureza
Polícia Militar cumpre mandado de prisão por duplo homicídio em Campo Grande
Polícia Militar Ambiental de Aquidauana prende infrator por porte ilegal de arma de caça e também o autua em R$ 1 mil por uso de motosserra ilegal
Atacante Hélio Borges é apresentado oficialmente: “Sonho em fazer história no Ceará”
Arrecadação do FEHIS apresenta quinta alta consecutiva
Em homenagem ao Dia da Imigração Japonesa, Meio Ambiente realiza plantio de cerejeiras na Lagoa Maior
Riedel verifica prioridades demandadas por Paranaíba no Governo Presente
Arana é convocado para os Jogos Olímpicos de Tóquio
Nene celebra gol no centésimo jogo pelo Flu: “Fico muito feliz”
Com o auxílio de cães farejadores Polícia Militar apreende cigarros contrabandeados
Polícia Militar Ambiental de Corumbá resgata filhote de veado perdido em área de mata de condomínio na cidade
Prefeito autoriza pavimentação de mais nove trechos do bairro Novo Aeroporto
Além das 05 já existentes, Três Lagoas ganha mais 04 Unidades de “Saúde na Hora” atendendo até às 19h. Todas terão vacinação no horário estendido
Gestantes a partir de 18 anos, com ou sem comorbidades, poderão ser vacinadas contra Covid-19 em MS
Governo do Estado destina equipamentos para 10 novos leitos de UTI em Três Lagoas
Polícia Militar flagra produtos de descaminho em veículo que seguia para Dourados
Next
Prev

Agronegócios

Contribuições da Embrapa Agropecuária Oeste para a agricultura sustentável de Mato Grosso do Sul

Publicado

O dia 5 de junho é considerado o Dia Mundial do Meio Ambiente. Uma data que tem como objetivo chamar a atenção da população para os problemas ambientais e para a importância da preservação e conservação dos recursos naturais. Essa data foi instituída em 1972, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo. Ao longo desses 49 anos, desde a Conferência de Estocolmo, inúmeras pesquisas ao redor do planeta buscam encontrar alternativas que ajudem a evitar o consumo exagerado dos recursos naturais (água, solo, ar, entre outros) e a perda constante de biodiversidade.

Nesse sentido, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), uma instituição vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), tem buscado contribuir com a conservação dos recursos naturais. A Embrapa, tem como missão viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura, em benefício da sociedade brasileira. A sustentabilidade é de fundamental importância, especialmente quando estamos falando de sistemas agrícolas. De acordo com a Wikipédia, sustentabilidade é uma característica ou condição de um processo ou de um sistema que permite a sua permanência, em certo nível, por um determinado prazo. A sustentabilidade tem como pilar três elementos: meio ambiente, impacto social e economia.

Ao longo de seus 48 anos, a Embrapa e seus parceiros contribuíram para o aumento da produtividade e da produção de grãos, fibras e carnes, assim como para a geração de tecnologias de monitoramento ambiental e formulação de políticas públicas, a exemplo do Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) e na assessoria para a elaboração do novo Código Florestal.

Além das comemorações alusivas ao Dia do Meio Ambiente, o mês de junho, também é uma data especial para a Embrapa Agropecuária Oeste, localizada em Dourados (MS). A Unidade comemora 46 anos, no dia 13 de junho. Ela foi criada para realizar pesquisas com soja, arroz e milho, espécies que eram cultivadas na região e que precisavam de apoio tecnológico para a sua viabilização. Posteriormente, passou a realizar pesquisas com plantio direto, trigo, algodão, mandioca, sistemas integrados (Integração Lavoura Pecuária – ILP e Integração Lavoura Pecuária e Floresta – ILPF), piscicultura, sistemas agroflorestais, hortaliças, cana-de-açúcar, agrometeorologia e monitoramento ambiental. Cabe destacar que os trabalhos com trigo, especialmente na área de melhoramento genético, foram realizados a partir da Cooperação entre a Embrapa Trigo e a Fecotrigo, dando grande destaque à Unidade, que se encontrava ainda em fase embrionária na cidade.

Atualmente, a Unidade atende um amplo espectro de parceiros e desenvolve trabalhos junto a diversos segmentos da agropecuária. Pesquisas relacionadas a Integração Lavoura Pecuária (ILP); manejo de nematoides de cisto, consórcio de milho com braquiária, difusão do capim Capiaçu; zoneamento agrícola de risco climático (ZARC), plantas de cobertura, soja, algodão e mandioca, análises ambientais, sanidade e nutrição de peixes, cana-de-açúcar, são alguns dos alvos de nossas atividades. Nossas pesquisas consistem em desenvolver tecnologias que contribuam com o crescimento e o fortalecimento da agricultura de forma sustentável.

Até mesmo o público urbano se beneficia com as nossas ações, a exemplo das informações meteorológicas disponibilizadas pelo site Guia Clima (https://clima.cpao.embrapa.br), que podem ser acessados inclusive por meio de APP (Baixe aqui – https://play.google.com/store/apps/details?id=br.embrapa.guiaclima).

A Embrapa Agropecuária Oeste, é uma Unidade de Pesquisa Ecorregional, ou seja, tem sua atuação voltada para o aprimoramento de sistemas de produção das cadeias de produtos agropecuários mais relevantes da sua região de abrangência. Conforme a expressão “sustentabilidade da agricultura” acreditamos que a produção de alimentos, fibras e energia serão duradouros, desde que os sistemas utilizados sejam sustentáveis, nos seus três pilares.

A maioria das pesquisas da Unidade tem foco nos sistemas de produção, em que diversos fatores são integrados no espaço e no tempo buscando aumentar a produtividade e diminuir os impactos negativos ao ambiente. Estudos que possibilitem a geração de tecnologias que possam eliminar ou minimizar o uso de agrotóxicos e/ou buscar alternativas menos impactantes para controlar pragas e doenças das culturas, diminuir a emissão de gases de efeito estufa, diminuir ou zerar a erosão do solo, aumentar a eficiência e reduzir o uso de fertilizantes, adequar as culturas às mudanças climáticas, otimizar o consumo de água, monitorar a contaminação dos recursos hídricos, entre outras, constituem algumas das prioridades da Embrapa Agropecuária Oeste. No site da Unidade (https://www.embrapa.br/agropecuaria-oeste) temos várias informações sobre esses estudos. Acesse e conheça alguns de nossos resultados.

Sabemos que a agricultura depende, em alguma medida, do uso de agrotóxicos para sua produção, mas algumas tecnologias, tais como: Manejo Integrado de Pragas, Plantas Daninhas e Doenças, foram desenvolvidas para contribuir com a redução no uso desses produtos, sem comprometer a produtividade das culturas. Diante desse desafio, a Unidade desenvolve ainda pesquisas voltadas para viabilizar a produção orgânica e formas intermediárias de produção em que uma parte expressiva dos agrotóxicos possa ser substituída por produtos alternativos de baixo ou nenhum impacto ambiental. Saiba mais acessando algumas publicações desenvolvidas pela Unidade, elas estão disponíveis para download gratuito e os temas podem ser pesquisados por meio de sistema de busca por palavra-chave (https://www.embrapa.br/agropecuaria-oeste/publicacoes).

A Embrapa Agropecuária Oeste vem trabalhando, há 46 anos, para aprimorar as informações e o conhecimento desenvolvidos por sua equipe, em favor de soluções tecnológicas inovadoras e que contribuam com a sustentabilidade agrícola. Ainda temos muito a avançar. Porém, estamos atentos à tendência irreversível de disponibilizar tecnologias por meio de aplicativos digitais, embarcados em dispositivos móveis e também no uso de soluções automatizadas. Assim, a Embrapa Agropecuária Oeste encontra-se aberta e em busca de parceiros que possam contribuir com essa missão.

Comentários Facebook

Agronegócios

Abertas inscrições para o Curso Técnico em Agropecuária do Senar/MS

Publicado

Para o processo seletivo de 2021 estão disponíveis 60 vagas. Inscrições gratuitas até 28 junho. Confira o edital em senarms.org.br/processoseletivo

Estão abertas as inscrições para o processo seletivo 2021 do Curso Técnico em Agropecuária do Senar/MS. A capacitação é gratuita e tem duração de dois anos. Para se candidatar, o aluno deve ter ensino médio completo e há prioridade para o público rural. As inscrições, também sem custo, podem ser feitas até dia 28 de junho.

Ao todo são ofertadas 60 vagas distribuídas em quatro turmas, sendo duas no período matutino e duas no vespertino. Como as aulas, neste momento, serão realizadas de forma remota, o aluno precisa ter acesso à internet e computador. As aulas ocorrerão de segunda a sexta-feira.

Quando houver atividades práticas, o Centro de Excelência em Bovinocultura de Corte – localizado na área da Embrapa Gado de Corte – será a sede dessas aulas, sempre seguindo todas as normas de biossegurança já adotadas pela instituição desde o início da pandemia da Covid-19.

O histórico escolar do ensino médio e uma entrevista realizada com o candidato serão requisitos para a classificação.

O edital completo com todos os detalhes está disponível no site: senarms.org.br/processoseletivo.

Acesse o link para inscrição: http://extranet.senarms.org.br/processoseletivo/Inscrever.

Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul – Leandro Abreu

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócios

Estudo da UFMS identifica desafios para a agricultura familiar no trajeto da rota bioceânica

Publicado

Após viagem pelo trajeto de Porto Murtinho a Campo Grande, os pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) identificaram desafios para o desenvolvimento da agricultura familiar nas cidades alcançadas pela rota bioceânica.

O trajeto foi realizado pelos pesquisadores Edgar Aparecido da Costa do Campus do Pantanal (CPAN/UFMS), que desenvolve um estudo no Eixo de Economia voltado para agricultura familiar, e Eronildo Barbosa, responsável pelo Eixo de História do Projeto de Pesquisa e Extensão Corredor Bioceânico da UFMS.

Sazonalidade

Em uma das bancas de agricultura familiar encontradas no trajeto, são vendidos produtos do Assentamento Santa Terezinha, localizado às margens da BR-060, entre Sidrolândia e Nioaque. O assentamento é referência na produção de abacaxi e melancia.

Um dos pontos identificados pelos pesquisadores foi a sazonalidade do comércio de produtos agrícolas ao longo da rodovia. “Nós encontramos muitos pontos com marcas de bancas de agricultura familiar, mas que não estavam abertas porque só funcionam em épocas específicas e quando há excedente na produção”, explica o pesquisador Edgar Costa. Com a pandemia do coronavírus, também houve redução da procura.

O levantamento preliminar mostrou ainda que, em alguns municípios, os produtos da agricultura familiar são destinados para feiras e outros estabelecimentos e não há pontos de vendas na rodovia.

Um ponto fixo foi encontrado perto de Sidrolândia, onde são vendidos produtos do Assentamento Santa Mônica, como doces, pimenta, abóbora, queijo, manteiga e produtos artesanais.

“Nosso objetivo com essa pesquisa é contribuir para a construção de um Plano de Desenvolvimento Territorial Rural Sustentável. E esse planejamento tem que considerar qual é o contexto e o perfil desses pequenos agricultores, se o modelo atual será fortalecido ou prejudicado com a rota, e também se há outras possibilidades para esses produtores”, afirma.

Avanço do agronegócio e novas oportunidades

O avanço do agronegócio sobre regiões da agricultura familiar é outro desafio identificado durante a viagem pelo trajeto da rota bioceânica. Na região do Alto Caracol, por exemplo, houve uma redução expressiva dos pequenos produtores diante do avanço do milho e da soja.

“Por outro lado, Alto Caracol se mostrou como uma localidade com grande potencial para investimentos em silos, armazéns, postos de combustíveis, hotéis, restaurantes, lojas de artesanatos, dentre outros. Possui posição geográfica estratégica na rota bioceânica e pode funcionar como um hub logístico rodoviário com atração de mercadorias dos municípios de Caracol, Bela Vista, Antônio João e das estâncias e assentamentos do Paraguai, na fronteira com o Brasil”, explica Edgar Costa.

Permanência dos jovens no campo

O pesquisador avalia ainda que a manutenção dos jovens no meio rural pode ser o maior desafio para o desenvolvimento da agricultura familiar nas cidades alcançadas pela rota.

“A população rural está ficando muito velha, com reduzida força de trabalho para ser competitiva no mercado. É preciso pensar alternativas de geração de renda, acesso às informações, conectividade com o mundo urbano e com outros jovens camponeses. Tem-se que reforçar o sentimento de pertencimento ao rural e criar mecanismos de estímulo às ruralidades de modo a elevar a autoestima do agricultor e seu reconhecimento”, explica.

Inclusão dos diferentes grupos sociais

O historiador Eronildo Barbosa, que também participou da viagem, realizou o trajeto analisando a perspectiva dos diferentes grupos sociais impactados pela rota bioceânica. “Tivemos a oportunidade de conhecer uma parte dos pequenos comerciantes e assentados da reforma agrária, que precisam e vão participar do processo de riqueza que esse projeto vai gerar”, destaca.

De acordo com o pesquisador, o objetivo é prospectar oportunidades e conhecer as dificuldades dos atores econômicos mais vulneráveis no processo produtivo. Dessa forma, a expectativa é que o estudo contribua para elaboração de políticas públicas voltadas para esses grupos sociais.

“Encontramos pessoas que estão desconfiadas sobre a concretização do projeto e também aqueles que estão acreditando que a rota vai trazer progresso e desenvolvimento. Foi uma radiografia do instante, um passo importante para entender como está organizado o processo produtivo na região sudoeste e quais são as relações de produção”, relata.

Os recursos que viabilizaram o Projeto Corredor Bioceânico da UFMS são oriundos de emenda parlamentar do deputado federal Vander Loubet (PT/MS). O projeto de pesquisa e extensão é coordenado pelo Prof. Dr. Erick Wilke, da Escola de Administração e Negócios (ESAN/UFMS). Também são realizados estudos nos Eixos de Economia, Logística, Turismo e Direito.

Por: Assessoria de Comunicação do Projeto Corredor Bioceânico da UFMS/Crédito das fotos: Edgar Costa/UFMS

Comentários Facebook
Continue lendo

TRÊS LAGOAS

CÂMARA DE TRÊS LAGOAS

BRASILÂNDIA

POLICIAL

Mais Lidas da Semana